Stadia terá coop local e manterá jogos comprados mesmo que eles deixem serviço

Por Felipe Demartini | 09 de Julho de 2019 às 13h37
Renato Mota/Canaltech
Tudo sobre

Saiba tudo sobre Google Stadia

Ficha técnica

Na atualização de uma série de perguntas e respostas sobre o Stadia, a Google esclareceu alguns pontos de dúvida dos jogadores sobre seu novo serviço de streaming e confirmou o suporte ao coop local desde o lançamento. A empresa também falou sobre o sistema digital de compra de jogos, afirmando que, uma vez que um título é adquirido, ele poderá ser acessado pelo jogador a qualquer momento, mesmo que seja retirado da loja pelo distribuidor.

De acordo com o texto publicado pela Google, a compra de um game pelo Stadia significa que o jogador adquiriu o direito de jogá-lo. E que, com a exceção de “circunstâncias imprevistas”, o título poderá ser acessado a partir de qualquer dispositivo e a todo momento, incluindo após não estar mais disponível para venda para outros usuários.

Essa abordagem só não vale, por exemplo, para os jogos disponibilizados gratuitamente como parte da assinatura Stadia Pro. Os títulos exclusivos para os usuários pagantes deixarão de funcionar para aqueles que não são, mas caso um jogador volte a assinar a plataforma em algum momento posterior, voltará a ter acesso a jogos salvos, DLCs e demais recursos que ficaram para trás caso utilize a mesma conta para realizar o acesso.

O FAQ revela ainda que o Stadia suportará até quatro controles conectados ao mesmo tempo — e vale a pena lembrar que ele funciona com qualquer joystick que pode ser conectado a um PC e celular, incluindo não apenas o seu próprio, mas também os modelos de PS4, Xbox One, Xbox 360 e Switch, por exemplo. Eles podem conversar com o sistema por meio de Bluetooth ou, então, serem ligados ao computador por meio de cabos, com a versão oficial da plataforma funcionando das duas maneiras.

Por outro lado, a Google voltou a afirmar que, em seu lançamento, a disponibilidade mobile do Stadia será um tanto limitada, aparecendo apenas nos Pixel 3, 3a, 3a XL e 3XL, bem como em tablets rodando o Chrome OS. A ideia, entretanto, é garantir suporte total a todo tipo de plataforma que rode o navegador da empresa, bem como lançar aplicativos para iOS (do 11 em diante) e Android (a partir da versão M) que permitam não apenas a jogatina, mas também a compra de games e utilização de outros recursos do serviço.

Por outro lado, ainda não existem informações sobre suporte à realidade virtual no Stadia, com a Google apenas afirmando não ter notícias para compartilhar em relação a isso. Levando em conta que os sistemas de AR e VR estão entre as linhas de pesquisa da Alphabet, faz sentido pensar que a empresa estaria levando tais capacidades também para seu sistema de jogos por streaming, mas, pelo menos na etapa inicial, a ideia parece ser investir em mecânicas mais tradicionais de jogatina.

O Google Stadia será lançado em novembro deste ano, ainda em etapa inicial, com disponibilidade em 14 países. O Brasil, porém, não faz parte da lista e nem ganhou uma previsão de disponibilidade, com o FAQ também não afirmando sobre a esperada expansão regional que a Google já disse pretender fazer com a plataforma.

Fonte: Google

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.