Procon-PB esclarece que não é a favor da proibição de Pokémon GO no Brasil

Por Redação | 15.08.2016 às 18:41

A primeira vez em que o Whatsapp foi bloqueado no Brasil foi uma grande surpresa seguida por uma indignação. A segunda vez fez com que muitos usuários sentissem de imediato o descontentamento, com a sensação do bloqueio estar virando rotina. Nesta segunda-feira (15), a internet passou por um susto: o Procon da Paraíba divulgou mais cedo que estava analisando a possibilidade de entrar com um pedido de proibição de Pokémon GO em todo o território nacional. O motivo, segundo o órgão, seria preservar o bem estar da população, que pode ser colocada em risco por causa do game. Após grande comoção dos usuários na internet, o órgão voltou atrás e se pronunciou publicamente no Facebook.

"O Procon de Cabedelo vem esclarecer ao público em geral que não é a favor da proibição do jogo Pokémon GO. A notícia veiculada no Jornal da Paraíba não reflete a real intenção do órgão. Na verdade, estamos sim preocupados com os acidentes e a violência gerada pelo uso descontrolado do jogo, mas não queremos proibir o jogo. O que pretendemos é criar meios que evitem acidentes e mortes e educar os jogadores para o uso consciente", afirmou em nota o Secretário-Geral do órgão Francinaldo de Oliveira.

O Procon complementou a informação nos comentários com a seguinte declaração: "O Procon Cabedelo jamais será omisso quando qualquer produto ou serviço for considerado perigosos ou nocivos para o consumidor (Inciso I, do Art. 6 da Lei 8.078/90)".

PROCON PB

A reviravolta foi positiva para os jogadores de Pokémon GO. Espera-se que seja uma decisão definitiva, mas, considerando o histórico de bloqueios no Brasil, sabemos dos riscos se outra polêmica do tipo surgir no futuro.

Entenda

O secretário adjunto do Procon/PB Tárcio Nóbrega justificou que a possível ação se daria pela ameaça ao bem estar da população causada pelo jogo. “Estamos preocupados com os efeitos negativos do jogo. Vêm acontecendo mortes, assaltos, acidentes, então queremos estudar isso para conscientizar as pessoas. Ainda não temos uma ação concreta definida. O Procon se preocupa com a segurança, saúde e proteção do consumidor”, afirmou em entrevista ao Jornal da Paraíba. A declaração, no entanto, foi retirada do site do veículo pouco tempo depois.

O diretor do Ministério Público da Paraíba Glauberto Bezerra disse que ainda não recebeu a ação e que está aguardando a chegada do pedido. "Isso merece um estudo mais apropriado, merece análise de dados dos acidentes, do número de pessoas assaltadas", complementa.

A preocupação com o bem estar da sociedade é válida, mas empurrar toda a responsabilidade para um jogo é passível de questionamento. Assegurar a segurança das pessoas é papel do Estado e proibir um aplicativo não soa como a melhor opção para diminuir acidentes causados por falta de atenção. Afinal, o uso de telefone ao volante é proibido, mas os usuários seguem usando mesmo assim.

Sem dúvidas, foi um susto para muita gente, mas, ao menos por enquanto, ainda é possível correr para se tornar um mestre Pokémon e capturar todos os monstrinhos.

Via Catraca Livre