Nos 20 anos do Nintendo 64, relembre alguns dos maiores clássicos do console

Por Durval Ramos | 23.06.2016 às 12:18

Enquanto todo mundo segue na expectativa por novidades sobre o NX, a Nintendo comemora nesta quinta-feira (23) uma data mais do que especial. Há exatos 20 anos, chegava às lojas japonesas o Nintendo 64 e marcava um ponto de virada na história da Big N. Afinal, o console era um marco para a empresa, que deixava o sucesso do SNES para trás para investir em uma tecnologia completamente nova. Os sprites eram coisa do passado, pois agora quem mandava eram os gráficos poligonais.

Com mais de 32 milhões de unidades enviadas para todo o mundo, o Nintendo 64 foi o sonho de consumo de muita gente — o que é muito bem representado pelo famoso vídeo do garoto que ganha o videogame numa noite de Natal. E, mesmo com a concorrência pesada da Sony com o recém-lançado PlayStation, o sistema conseguiu se sair muito bem e emplacar alguns clássicos que são lembrados até hoje.

E parte disso está no grande diferencial do sistema. Mais do que ser apenas uma evolução gráfica, os títulos do Nintendo 64 se diferenciavam de tudo aquilo que existia no mercado graças ao suporte para quatro jogadores que o console oferecia. Sem depender de adaptadores ou coisa parecida, o aparelho chamava a atenção por conta dessa ênfase dada ao multiplayer que nenhuma outra plataforma tinha feito até então. Não por acaso, franquias como Super Smash Bros e Mario Party nasceram ali exatamente com essa proposta de reunir jogadores.

Só que o legado do Nintendo 64 vai muito além dos quatro controles. Na verdade, o console comemora seus 20 anos de existência longe de ter sido o melhor sistema de sua geração, mas ainda assim foi capaz de eternizar alguns dos maiores clássicos daquela era. É por isso que ele continua sendo tão lembrado pelos jogadores, inclusive por aqueles que nunca tiveram um modelo na sua casa. Mesmo quem teve somente um PlayStation, o Nintendo 64 era um sonho de consumo.

Apesar de seu controle ser alvo de piadas até hoje — o que diabos era aquele bumerangue? —, o joystick é tão marcante que muita gente lembra com carinho de seu estranho design. O analógico era bastante frágil, é verdade, mas o estranho desenho e a pegada diferenciada davam a ele múltiplas formas de uso e uma variedade incomum dentro do mercado de games.

nintendo 64

Desse modo, para comemorar essas duas décadas de sucesso, decidimos relembrar alguns dos jogos mais icônicos do console. É claro que não será possível falar de todos por questão de espaço, então use os comentários para compartilhar conosco suas memórias do N64.

Super Mario 64

A transição do 2D para o mundo 3D não foi fácil para muitos dos mascotes clássicos, mas o bigodudo da Nintendo foi um dos poucos que conseguiu fazer essa mudança de maneira natural e mantendo a qualidade que lhe é característica. Tanto que Super Mario 64 é até hoje lembrado como um dos jogos que melhor soube aproveitar esses elementos tridimensionais para criar algo novo dentro do gênero plataforma. O level design do game é sensacional e explora muito bem a perspectiva e a liberdade com a qual o jogador pode lidar.

Super Mario 64

O sucesso foi tão grande que ele chegou ao mercado em 1996 já rodeado de muitos elogios e recebendo excelentes notas em todas as análises publicadas. Não por acaso, se tornou um dos títulos mais bem vendidos do Nintendo 64, com mais de 11 milhões de cópias. Além disso, ele continua sendo referência para a Nintendo na criação de seus outros jogos do estilo, como visto em Super Mario Galaxy (2007) e Super Mario 3D World (2013).

The Legend of Zelda: Ocarina of Time

Considerado por muitos como um dos melhores jogos já feitos até hoje, The Legend of Zelda: Ocarina of Time foi a razão pela qual muita gente quis ter um Nintendo 64. E os motivos para isso são diversos. O game foi o primeiro da série a utilizar gráficos tridimensionais e essa mudança gerou mudanças radicais na jogabilidade, criando novos padrões que foram reproduzidos à exaustão por vários outros games que vieram em seguida.

O sucesso foi tão grande que a Nintendo conseguiu conquistar até mesmo jogadores que nunca haviam ouvido falar da série, dando início a uma nova geração de fãs. A mecânica de controle do tempo não era algo inédito na série, mas foi muito bem explorada por aqui. A utilização de um mundo 3D também ajudou a criar dungeons mais elaboradas e que exploraram muito bem os novos recursos. No fim das contas, Ocarina of Time é um marco na indústria por uma série de razões.

The legend of zelda: ocarina of time

A estreia de Link na geração 64 bits vendeu mais de 7,6 milhões de unidades e foi um enorme sucesso de críticas. Tanto que o game ganhou vários relançamentos, seja para GameCube, Wii e Nintendo 3DS. E pode ter certeza de que você ainda vai ouvir falar muito desse clássico.

Aliás, já reparou que Ocarina of Time é um dos poucos (quiçá o único) game dessa época que ninguém pede por um remake, mesmo com seu apelo? Talvez seja o fato de que ele envelheceu muito bem em todos os seus aspectos.

Pokémon Stadium

No auge da popularidade de Pokémon, a Nintendo acertou em cheio com o lançamento de Pokémon Stadium. Enquanto os jogos de Game Boy focavam na aventura e na jornada de um treinador, a versão para Nintendo 64 era totalmente focada nos combates. E não teve criança na época que não se empolgou ao ver os monstrinhos de bolso fielmente recriados em 3D se enfrentando em batalhas realmente bem eletrizantes.

Pokémon Stadium

O primeiro jogo tinha o elenco quase completo das 151 criaturas à disposição logo de início. Apenas a dupla Mew e Mewtwo ficou de fora, sendo desbloqueada quando o jogador utilizava o cartucho do portátil. Aliás, o uso do TransferPak foi outro grande trunfo da Big N por aqui: o acessório acoplado ao controle permitia que os treinadores transferissem os dados de seus GameBoys para o N64, o que deixava as batalhas ainda mais personalizadas.

O game ainda continua uma série de minigames que davam mais variedade ao gameplay e deixavam tudo ainda mais rico. Além disso, Pokémon Stadium ganhou uma sequência igualmente ótima já inspirada na geração Gold/Silver/Crystal. E é uma pena que, depois disso, a empresa nunca mais acertou em um game de Pokémon em seus consoles principais.

GoldenEye 007

Esqueça Call of Duty, Battlefield ou qualquer outro FPS moderno que você acha ser o melhor do mundo. Nenhuma dessas franquias consegue ser tão genial e divertida quanto GoldenEye 007 foi em sua época. Provando ser possível fazer uma excelente adaptação de filme, o game era presença obrigatória em qualquer Nintendo 64 e era diversão garantida onde quer que estivesse.

GoldenEye 007

Mesmo com seus gráficos quadrados e que pouco lembravam os atores dos filmes, a jogabilidade era tão fluida e frenética que isso pouco importava. Ainda mais quando falávamos do modo multiplayer, que colocava quatro jogadores em tela dividida para se enfrentarem em cenários inspirados no longa.

Por mais desleal que fosse, olhar para a tela do adversário para saber onde ele está era uma estratégia bastante comum e eficiente — e que acabou com muitas amizades na época.

Super Smash Bros

Demorou para que alguém tivesse a incrível ideia de colocar todos os medalhões da Nintendo para caírem na porrada. Mas, quando isso finalmente aconteceu, entrou para a história. Só que Super Smash Bros é um marco não apenas por reunir os principais personagens da empresa em um game de luta, mas por criar uma mecânica completamente nova para o gênero, dispensando as barras de energia e a estrutura clássica eternizada por títulos como Street Fighter e Mortal Kombat. Estamos falando de Nintendo e era óbvio que as coisas tinham de ser diferentes.

Super Smash bros

O sucesso dessa reunião foi imediato. Apesar de ter causado estranheza em muitos jogadores, ele ainda rendeu bons números para a Big N. Somente nos Estados Unidos, o game vendeu mais de 2,93 milhões de cópias, o suficiente para garantir uma sequência. Tanto que Super Smash Bros Melee, lançado para GameCube, aprimorou tudo isso e conquistou o mundo, superando a marca de 7,09 milhões de unidades vendidas.