Nintendo planeja vender 2 milhões de Switch em março

Por Redação | 26.10.2016 às 08:32
photo_camera Divulgação

A Nintendo apresentou o Switch há uma semana, mas praticamente não falou nada sobre o novo console que chega às lojas em março. Nesta quarta-feira (28), entretanto, durante o anúncio de seus resultados financeiros, Tatsumi Kimishima, CEO da japonesa, falou sobre os planos e expectativas da empresa para o videogame.

De acordo com o executivo, a ideia é vender 2 milhões de unidades do Switch já em março de 2017, mês de lançamento do console. E isso será conseguido graças ao chamado "sistema global de lançamento", com a Nintendo colocando o videogame à venda em lojas dos Estados Unidos, Europa e Japão. Além disso, Kimishima confirmou que a empresa está trabalhando, sim, com uma margem de lucro, mas que a ideia é precificar o Switch de acordo com as expectativas dos consumidores.

As afirmações do executivo vêm em um momento financeiro delicado para a Nintendo. Especificamente neste último trimestre fiscal, a empresa só obteve lucro graças à venda de sua participação em um time de baseball e à receita vinda de sua subsidiária "The Pokémon Company". Fora isso, a situação é um tanto desesperadora e o Switch é visto internamente como um salvador.

Embora a expectativa de vender 2 milhões de unidades do videogame já em março possa parecer ambiciosa, é importante destacar que ela não é impossível. Basta tomar como exemplo o PlayStation 2, da Sony. Console mais vendido de todos os tempos, ele vendeu mais de 3 milhões de unidades no seu primeiro mês de vida. O Wii U, considerado um fracasso por muitos, também vendeu 3 milhões de unidades em seu primeiro mês e meio de vida. Sendo assim, caso a Nintendo consiga manter o hype em torno do Switch, é possível que haja mais demanda do que oferta do console no ano que vem.

E quanto ele vai custar? Até o momento não sabemos. Durante a revelação dos resultados financeiros, Kishimina limitou-se a dizer apenas que a companhia está buscando o meio termo entre rentabilidade e competitividade antes de cravar quanto o Switch custará.

Via VentureBeat, Business Insider