Nintendo explica porque parou de produzir o NES Classic Edition

Por Redação | 02 de Maio de 2017 às 11h56

O fim da produção do NES Classic Edition é algo que muitos fãs ainda não engoliram. Desde que a Nintendo confirmou que o relançamento do console clássico seria descontinuado de uma hora para a outra, muita gente ficou intrigada com as razões que fizeram a empresa tomar essa decisão tão inesperada, principalmente com o aparelho sendo um sucesso absoluto nas vendas. E, depois de um longo silêncio, parece que a Big N finalmente decidiu explicar por que decidiu pôr um ponto final na breve história do NES Classic Edition.

E as razões são mais simples que aparentam. Não é porque a Nintendo odeia dinheiro ou mesmo porque ela não se importa com os fãs que não conseguiram comprar o videogame. De acordo com o presidente da divisão americana da empresa, Reggie Fils-Aime, o novo Nintendinho deixou de ser fabricado simplesmente porque os recursos necessários para montá-lo acabaram e a empresa não se planejou para manter a produção por muito tempo. Segundo ele, a ideia original era fazer com que o console fosse vendido somente durante o último Natal e não mais do que isso.

Contudo, explica o executivo, o que a Nintendo não previu foi a ótima recepção do público. Fils-Aime explica que, vendo essa alta demanda por parte dos consumidores, a empresa correu atrás de seus fornecedores para conseguir materiais para estender a fabricação do sistema ao máximo possível. Porém, exatamente por algo que não havia sido planejado inicialmente, esses componentes acabaram chegando ao seu limite, o que forçou o fim prematuro de um dos relançamentos mais bem-sucedidos do mercado.

Console custava apenas US$ 60, mas agora vira item raro e passa a custar uma pequena fortuna

Diante dessa situação, o próprio presidente da Nintendo America pede desculpas às pessoas que não conseguiram comprar seu NES Classic Edition. De acordo com ele, é totalmente compreensível que as pessoas se sintam frustradas por não conseguirem encontrar o aparelho nas lojas e a Nintendo pede suas sinceras desculpas por isso. Porém, ele lembra que o verdadeiro foco da companhia não deve ser esse olhar para o passado e sim seguir em direção ao futuro — em uma clara referência de que é mais importante acertar com o Switch do que vender muitos Nintendinhos.

Por mais que muita gente continue a torcer o nariz para o fim do NES Classic Edition, não há como tirar a razão da Nintendo em focar seus esforços em uma plataforma como o Switch. Dentro do mercado, é sabido que o grosso do lucro nunca vem da venda de hardware, mas do quanto de jogos são vendidos — não por acaso, muitas empresas chegam a lançar seus consoles com prejuízo, ou seja, pagando mais na produção do que na ganhando na sua venda. Apesar de a Nintendo não ter divulgado números, é de se imaginar que o novo Nintendinho não devia gerar uma grande margem de lucro e a impossibilidade de comprar novos games para ele o tornava um sistema bastante engessado.

Por outro lado, o recém-lançado Switch não sofre do mesmo mal. O console já demonstrou um resultado impressionante em seu primeiro mês nas lojas e promete um desempenho muito melhor do que o seu antecessor, o que certamente vai ser refletido na venda de seus jogos. O sucesso de Mario Kart 8 Deluxe em seu primeiro dia já indica isso: o game já é considerado o título da série com melhores vendas em apenas 24 horas, desbancando a edição lançada para Wii. Assim, fica fácil imaginar onde a empresa quer focar seus esforços.

Ainda assim, não podemos nos esquecer dos rumores de que devemos ver um novo relançamento surgindo no futuro. Embora não seja nada oficial, alguns boatos já começaram a apontar que a Big N está planejando lançar uma espécie de SNES Classic Edition focando nos clássicos do Super Nintendo. E, tendo conhecimento do bom resultado de sua última investida no mercado retrô, é bem possível que Fils-Aime e o restante da marca se preparem um pouco melhor em termos de recursos para atender à inevitável demanda que vai surgir.

Via: GSM Arena