Nintendo afirma não ter planos de trazer o novo Nintendinho para o Brasil

Por Redação | 15.07.2016 às 21:46

Como informamos ontem (14) aqui no Canaltech, a Nintendo anunciou que irá relançar o seu primeiro console, o NES, com os 30 jogos mais emblemáticos da plataforma inseridos na memória. A notícia despertou a nostalgia de muitos brasileiros que tiveram o NES original, mas hoje, (15), a japonesa afirmou não ter planos de trazer o novo Nintendinho para terras nacionais.

Novo Nintendinho

Lá fora o console será vendido com um único joystick. Um NES controller adicional poderá ser comprado por US$ 10 (Foto: Divulgação/Nintendo)

A afirmação foi feita ao portal UOL Jogos, que teria perguntado à própria Nintendo quais eram as chances do console chegar ao Brasil. Com lançamento confirmado para a Europa e a América do Norte, o console chegará às lojas do exterior com aqueles que são os 30 jogos mais icônicos de sua época, dentre os games inclusos estão títulos como 'Super Mario Bros', 'The Legend of Zelda', 'Mega Man 2', 'Kid Icarius', 'Ninja Gaiden', 'Donkey Kong', 'Castlevania', 'Metroid', e 'Final Fantasy'.

Além de ter um tamanho reduzido em comparação ao Nintendinho dos anos 80, o relançamento será compatível com o Wii Classic Controller, e com TVs mais recentes por meio de uma porta HDMI. O preço cobrado pelo aparelho também é bastante simbólico: US$ 60, um valor próximo ao de um jogo de grande porte para o Wii U, como o novo 'Mario & Sonic nos Jogos Olímpicos do Rio 2016', que nos EUA custa exatos US$ 59,99. Em conversão direta para o real, sem considerar as taxas e custos adicionais, o novo NES custará aproximadamente R$ 200.

Em uma entrevista ao Kotaku, nos EUA, a Nintendo afirmou que, ao menos até então, também não tem planos de repetir a ideia com outros consoles clássicos de sua história, como o Super Nintendo ou o Nintendo 64. Espera-se que o console esteja disponível no varejo norte-americano a partir do dia 11 de novembro deste ano.

Desde o início do ano passado, a Nintendo se retirou completamente do Brasil. Por causa disso, é provável que o novo Nintendinho só chegue por aqui via importadoras especializadas, e por um preço mais salgado que o equivalente cobrado em dólar. Será que a nostalgia compensa importar o gadget por conta própria?

Fonte: UOL Jogos, Kotaku