Mercado de games deve movimentar US$ 91,5 bilhões em 2015

Por Redação | 23.04.2015 às 12:40
photo_camera Divulgação

O mercado de games é um dos mais lucrativos no mundo e isso não deve mudar no ano que vem: de acordo com um novo relatório da empresa de pesquisas Newzoo, a indústria global de jogos eletrônicos deve arrecadar o equivalente a US$ 91,5 bilhões ao longo de 2015, um aumento de 9,4% em relação ao valor registrado em 2014, quando foram contabilizados US$ 83,6 bilhões em lucros.

De acordo com o estudo, se as vendas continuarem nesse ritmo, as receitas globais da indústria de games chegarão a US$ 107 bilhões em 2017, com projeções ainda maiores para 2018.

Dos US$ 91,5 bilhões esperados para este ano, US$ 33,7 bilhões correspondem a jogos de computador (crescimento de 7% em relação ao ano passado), em especial títulos free-to-play disponíveis para navegadores. Em segundo lugar aparecem os consoles, com US$ 25,1 bilhões (aumento de 2%); seguidos pelos smartphones e relógios inteligentes, com US$ 20,6 bilhões (aumento de 21%); e pelos tablets e videogames portáteis, com US$ 12,1 bilhões (aumento de 14%).

De todos esses públicos, o que mais vai crescer é o de tablets, que aumentará em 27% se comparado ao número registrado em 2014. Em contrapartida, é esperada uma queda de 16% no segmento de consoles de mão, como o Nintendo 3DS e o PlayStation Vita.

No que diz respeito ao crescimento da indústria de games por região, o continente asiático aparece em primeiro lugar com US$ 43,1 bilhões (aumento de 15%) do montante total de US$ 81,5 bilhões; seguido pela América do Norte, com US$ 23,8 bilhões (aumento de 3%); Europa, com US$ 20,5 bilhões (aumento de 5%); e América Latina, com US$ 4 bilhões (aumento de 18%).

Os Estados Unidos devem continuar como o país que mais gasta com jogos eletrônicos no mundo, totalizando US$ 23,8 bilhões (aumento de 3%), mas a China deve assumir o posto nos próximos anos, uma vez que as previsões apontam crescimento de 23% para o ano que vem e arrecadação de US$ 22,2 bilhões.

Outra informação levantada pela Newzoo mostra quais foram as companhias que mais lucraram em 2014. No topo do ranking aparece a Tencent, proprietária da Riot Games, que por sua vez é responsável por League of Legends. No ano passado, ela lucrou US$ 7,2 bilhões, um aumento de 37% em comparação com ano de 2013. Em segundo lugar vem a Sony, com lucro de US$ 6 bilhões (aumento de 27%); seguida pela Microsoft (US$ 5 bilhões, aumento de 3%), Electronic Arts (US$ 4,5 bilhões, aumento de 22%) e Activision Blizzard (US$ 4,4 bilhões, queda de 4%).

Os dados divulgados pela Newzoo fazem parte do relatório Global Bames Market Report, que coletou informações em 130 países do mundo todo. Novos detalhes da pesquisa serão revelados no dia 8 de junho, incluindo as listas das 10 empresas que mais ganharam dinheiro com games no ano passado e os títulos mais assistidos por usuários no YouTube.

Veja abaixo o que já foi disponibilizado pela empresa:

As 10 companhias de games que mais lucraram em 2014:

  1. Tencent – US$ 7 bilhões
  2. Sony – US$ 6 bilhões
  3. Microsoft – US$ 5 bilhões
  4. Electronic Arts – US$ 4,5 bilhões
  5. Activision Blizzard – US$ 4,4 bilhões
  6. Apple – US$ 3,2 bilhões
  7. Google – US$ 2,6 bilhões
  8. King – US$ 2,3 bilhões
  9. Nintendo – US$ 2,1 bilhões
  10. Ubisoft – US$ 1,8 bilhão

As 20 franquias de jogos mais assistidas em canais do YouTube (em visualizações):

  1. Minecraft – 3,934 milhões
  2. Grand Theft Auto – 1,393 milhão
  3. Five Nights at Freedy's – 1,273 milhão
  4. Call of Duty – 851 milhões
  5. FIFA – 770 milhões
  6. Garry’s Mod – 690 milhões
  7. League of Legends – 667 milhões
  8. Super Mario – 547 milhões
  9. Counter-Strike – 362 milhões
  10. Dota 2 – 282 milhões
  11. Clash of Clans – 259 milhões
  12. Battlefield – 177 milhões
  13. Just Dance – 169 milhões
  14. Arma – 156 milhões
  15. World of Tanks– 134 milhões
  16. DayZ – 134 milhões
  17. Team Fortress – 131 milhões
  18. Halo – 127 milhões
  19. Mortal Kombat – 123 milhões
  20. Destiny – 118 milhões

Fontes: Newzoo, GamesIndustries, VentureBeat