Konami não vai abandonar os consoles, afirma presidente

Por Redação | 29.05.2015 às 12:13 - atualizado em 29.05.2015 às 17:54

Depois de todas as polêmicas recentes envolvendo a Konami, parece que a empresa finalmente decidiu quebrar o silêncio e comentar um pouco sobre o seu futuro. Afinal, como se não bastasse a conturbada saída de Hideo Kojima e o cancelamento de Silent Hills, os rumores de que a companhia estava planejando abandonar os consoles para se dedicar ao mercado de jogos móveis ganharam força nos últimos meses. No entanto, parece que a verdade é um pouco diferente.

Em entrevista ao jornal japonês Nippei, o presidente da produtora afirmou que ela não vai abandonar os video games como muitos especularam e que vai continuar produzindo seus games como antes. De acordo com Hideki Hayakawa, há realmente o interesse de aumentar sua participação no setor mobile, mas isso não significa que eles vão abandonar as demais plataformas, principalmente por conta do histórico de sucesso da marca em vários sistemas ao longo dos anos.

Segundo o executivo, houve um erro de interpretação em sua declaração anterior referente a títulos para smartphones e tablets serem o futuro do mercado. Embora esse segmento seja realmente muito lucrativo, o interesse da Konami nele não significa o sacrifício de suas outras frentes. Para Hayakawa, o objetivo é expandir seu portfólio tanto nos consoles e arcades ao mesmo tempo em que tenta levar essas propriedades intelectuais para os dispositivos móveis.

Não se trata de optar entre um ou outro, mas de englobar todos os formatos. Isso significa que a ideia da empresa é exatamente se aproveitar da popularidade de suas franquias nos video games e levá-las também para os celulares.

A questão Kojima

Além disso, Hayakawa comentou também sobre a reformulação interna que resultou na saída de Hideo Kojima. Segundo o presidente, houve uma reestruturação dentro da empresa que separou a parte criativa dos setores administrativos. Como ele explica ao jornal japonês, até então, os criadores de conteúdo estavam envolvidos em muitas questões gerenciais que iam além da criação de seus games e isso se mostrou inviável dentro daquilo que a companhia desejava.

Hideo Kojima

Para o executivo, esse tipo de especialização pode até funcionar quando o estúdio quer concentrar todo o processo focado em um determinado tipo de produto. No entanto, esse não era o caso da Konami e, por isso, eles decidiram realizar essa separação.

Esse formato unificado, como conta Hayakawa, se revelou um verdadeiro problema para a produtora por dificultar a atuação da marca em algumas áreas, como licenciamento e a própria expansão de suas propriedades intelectuais além dos jogos. Além disso, a própria exploração de suas franquias em plataformas móveis era algo que que não funcionava direito com o modelo anterior. Diante disso, eles optaram por alterar os métodos de trabalho e fazer uma revolução dentro de seus escritórios.

Via: VG247