Game de tênis está deixando usuários machucados e controles quebrados

Por Redação | 11.04.2016 às 21:59

Quem acompanha jogos há algum tempo deve se lembrar dos inúmeros vídeos de pessoas lançando os controles do Nintendo Wii por aí, muitas vezes machucando os outros e destruindo propriedades. Agora, mais de uma década depois, a mesma coisa está acontecendo com os jogadores que já estão no mundo da realidade virtual e escolheram experimentar seus óculos HTC Vive com o título #SelfieTennis.

Na teoria, o game tem uma premissa quase terapêutica – no controle de um unicórnio, você deve lançar as bolas de um lado para o outro da quadra, mas em vez de disputar contra um adversário, o próprio jogador é transportado e deve rebater a jogada. E assim, indefinidamente, fazendo com que cada ato tenha que ser pensado e calculado de forma a não prejudicar o próprio recorde.

Entretanto, já tem muita gente comparando o jogo da desenvolvedora VR Unicorns com uma versão em realidade virtual de Flappy Bird. Só que o resultado, aqui, não são celulares lançados longe com ódio, mas controles que voam na direção da parede, amigos machucados e ferimentos não muito graves nos dedos – mas bastante doídos, quando o usuário acaba socando o teto.

É uma interação lógica com dispositivos de realidade virtual. A sensação é como se o jogador realmente estivesse na quadra e, sendo assim, é difícil resistir à tentação de saltar ou esticar o corpo ao máximo para pegar aquela bola complicada. Com a privação visual do ambiente em que se está e a falta de noção espacial, claro, o resultado não poderia deixar de ser doloroso.

O título está sendo vendido no Steam por R$ 36,99. Quem quiser, pode jogá-lo sem os óculos de realidade virtual, mas claro, a diversão é muito maior com eles e controles de movimento nas mãos.

O sucesso está sendo grande, tanto que a produtora VR Unicorns já fechou um acordo de distribuição com a Devolver Digital – do game Hotline Miami. E para a empresa, mais do que um game, trata-se de uma forma de ensinar as pessoas a não se esquecerem do mundo real quando estiverem imersas na realidade virtual. E, para a empresa, a melhor maneira de entender isso é, exatamente, trombando com tudo pelo caminho.

Fonte: Polygon