EA admite fiasco em Star Wars Battlefront 2 e diz "ter aprendido com os erros"

Por Eduardo Hayashi | 17 de Abril de 2018 às 17h02
photo_camera Divulgação

Parece que a controversa presença das loot boxes em Star Wars Battlefront 2 foi o suficiente para que a Electronic Arts percebesse a péssima decisão forçar os jogadores a adquirem itens e personagens por meio de microtransações, algo que foi amplamente criticado, chegando a culminar até mesmo em discussões políticas sobre a regulamentação desse formato de distribuição de conteúdos adicionais.

Como era de se esperar, Battlefront 2 registrou vendas muito abaixo das expectativas desde os seus primeiros meses de lançamento, o que forçou a EA a eliminar temporariamente o sistema de microtransações no game. Porém, era tarde demais para que o game voltasse a ser relevante no mercado.

Na última segunda-feira (16), em entrevista para o The Verge, Patrick Söderlund, ex-diretor global dos estúdios e atual diretor de design da EA, comentou sobre o fracasso do game e quais serão os próximos passos da companhia para recuperar a confiança dos jogadores. Ao que tudo indica, toda a polêmica das loot boxes fizeram com que a companhia mudasse a sua postura:

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

"Eu estaria mentindo para você se dissesse que o que aconteceu com a Battlefront 2 e o que aconteceu com tudo relacionado às loot boxes e que essas coisas não tiveram efeito sobre a EA como empresa e um efeito sobre nós como administração. Podemos fugir disso e fingir que não aconteceu, ou podemos agir com responsabilidade e perceber que cometemos alguns erros e tentamos corrigir esses erros e aprender com eles.", disse Söderlund.

Outro assunto abordado na conversa foi a vindoura atualização para Battlefront 2, que retomará o sistema de loot boxes no game, mas agora apenas com opções de mudanças visuais que não afetarão o desempenho dos jogadores nas partidas multiplayer.

"Tivemos que tomar ações muito rápidas e drásticas para desativar tudo, e desde então trabalhamos e redesenhamos o sistema de progressão. As pessoas parecem apreciar o que fizemos, os jogadores estão voltando e estamos vendo números de engajamento mais fortes. As pessoas parecem pensar que, de forma geral, nós acertamos. Isso não significa que vamos parar. Continuaremos melhorando o jogo, continuaremos a impulsionar essas coisas, e teremos que ser muito cautelosos com o que isso significa para os futuros produtos", explicou o diretor.

Söderlund também comentou que a EA ainda está se dedicando em entender melhor a mecânica de monetização com os seus jogos para evitar que a mesma falha seja repetida em títulos posteriores, como os próximos games da série:

"Nós tomamos medidas significativas como empresa para analisar e entender a mecânica da monetização, das caixas de saque e de outras coisas em nossos jogos antes de serem lançados no mercado. Para os jogos que vêm em seguida, para Battlefield ou para o Anthem, é muito claro que não podemos nos dar ao luxo de cometer erros semelhantes. E nós não vamos.".

Fonte: GameSpot

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.