Dólar em alta e Steam: como continuar a comprar jogos online?

Por Raphael Andrade | 01 de Maio de 2016 às 09h44

Com o dólar aumentando a cada dia, fica mais difícil aproveitar facilidades e serviços que utilizam o dinheiro norte-americano como moeda principal. Viagem para a Disney? Talvez nas férias do ano que vem. Box especial daquela série que você gosta? Quem sabe no próximo semestre. Novos jogos para o videogame? Tá difícil.

A variação cambial constante do dólar em relação ao real não afetou tanto as compras de jogos em lojas físicas, mas aquisições via internet se tornaram mais escassas para os gamers nos últimos meses.

Os maiores problemas nesse sentido ficam mesmo para os jogadores que utilizam plataformas de compra online, principalmente o Steam. No próprio fórum do serviço, não é difícil encontrar tópicos com depoimentos de gamers insatisfeitos com os preços praticados pela loja virtual, cobrando um posicionamento das produtoras e da própria Valve para resolver o problema.

No Steam, embora a maioria dos preços dos jogos disponíveis sejam listados em reais, eles estão sujeitos a alteração de preços com base no dólar, o que reflete na frequência de compra dos jogadores.

O estudante Anderson Martins, de 20 anos, utiliza o Steam há mais de quatro anos e admite que no passado adquiria muito mais jogos que atualmente. "Hoje em dia, eu só compro os que eu realmente quero ou estou esperando faz tempo. Os mais caros, tipo Metal Gear Solid, entre outros, agora só compro quando estão em promoção."

Por outro lado, o vendedor externo Henrique Gouveia, de 30 anos, usuário da loja online há cerca de cinco anos, não sentiu tanto os efeitos do câmbio do dólar nos preços do Steam. Ele se beneficia do fato de que os games que compra são principalmente para o sistema Linux, que não apresentam muitas alterações de preço. Ainda assim, mesmo em relação aos jogos para Windows e Mac, Gouveia não julga que houve um aumento drástico nos valores. "Alguns jogos ficaram um pouco mais caros, mas nada que fosse surpreendente."

Outro problema é que algumas vezes, descontos que os jogos recebem nas lojas online estrangeiras acabam não sendo repassados para a loja brasileira do Steam, assim como títulos que não veem seus preços baixarem mesmo após a manutenção do dólar para baixo.

Existem alternativas?

Se você utiliza o Steam, mas não está podendo arcar com os preços definidos na plataforma, existem outras opções para você não interromper a sua jogatina.

Voltar a comprar os games em lojas físicas pode ser uma boa saída, já que muitas ainda possuem ofertas em promoção. Comprar direto das distribuidoras também é outra alternativa, uma vez que algumas taxas de revenda e custo de transporte não são adicionadas ao preço final.

Humblebundle

Se você não se importa de esperar um pouco mais para jogar as novidades e quer se divertir com algum outro game velhinho, o Humblebundle pode ser a sua salvação. A plataforma é voltada principalmente a games indie, com grande variedade de títulos e gêneros. Parcerias com empresas como Nintendo também acontecem.

Por lá, o sistema de pagamento é em esquema pague-quanto-você-quiser. A quantia paga é dividida entre os desenvolvedores dos jogos que você baixou e instituições de caridade e causas beneficentes em geral. A plataforma já é famosa no exterior, tanto que o game Minecraft já deu as caras por um tempo no Humblebundle.

Para os brasileiros, uma outra alternativa interessante é a plataforma brazuca Nuuvem, com títulos a preços convidativos. Games como Agatha Christie - The ABC Murders, Battleborn e diversos da franquia Lego estão disponíveis na plataforma, com opção de sincronização no Steam.

Com tantas opções, agora você não tem desculpa para deixar o joystick de lado, não é?