Devolver lança novo jogo para Super Nintendo; lucros vão para caridade

Por Jessica Pinheiro | 14 de Maio de 2018 às 08h09
photo_camera Devolver Digital

Os grandes entusiastas de games retro, em especial os de Super Nintendo, já podem comemorar com a proposta da Devolver Digital de distribuir jogos para o console. Por sinal, a empresa não está apenas distribuindo desta vez, mas também codesenvolvendo um novo game com o Mega Cat Studios que será lançado em um cartucho para SNES. A melhor parte de toda esta história? 100% dos lucros serão entregues à caridade.

Fork Parker’s Crunch Out é o título do novo game, e também uma brincadeira com o nome do suposto CFO da Devolver, Fork Parker. Além disso, o jogo também faz referência a um problema que vem sendo enfrentando cada vez mais por desenvolvedores, o “crunch time” (tempo decisivo, em tradução livre). O termo faz referência ao tempo muito curto que os profissionais têm para concluir seus trabalhos. Após a conclusão desses projetos, eles são realocados para outros imediatamente.

Uma pesquisa da IDGA realizada em 2016, concluiu que 37% dos desenvolvedores de jogos não são compensados pelas horas extras de trabalho, o que lhes causa um grande estresse mental. O intuito da Devolver Digital, com a proposta, é, em suma, aumentar a conscientização sobre o assunto através de seu novo jogo para o Super Nintendo, que promete ser bem ao estilo Game Dev Story. Os lucros do título serão 100% revertidos para a Take This, uma instituição de caridade focada em aumentar a conscientização sobre saúde metal.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Em Fork Parker’s Crunch Out, os jogadores estarão no papel do “pior executivo de games do mundo”, que está tentando competir com uma nova, grande e poderosa publisher no mercado. Será necessário motivar seus funcionários usando todos os meios possíveis para ganhar da competidora. O game também irá brincar com elementos que tornam um jogo único, envolvendo a integridade artística dos desenvolvedores, jogabilidade envolvente, eliminação de “elementos” ou mecânicas que não fazem sentido, dentre outros tópicos constantemente avaliados.

Além disso, a empresa que o jogador controlar poderá utilizar de “poderes especiais”, o que inclui contratar estagiários não-remunerados que trabalham com serviços expositivos, até utilizar “café, disciplina e tratamento de choque” para manter os desenvolvedores dentro do cronograma. Seria hilário se não fosse trágico.

Fonte: Forbes

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.