Deputado americano propõe taxa extra para jogos violentos

Por Felipe Demartini | 26 de Fevereiro de 2018 às 14h16
Divulgação

O deputado norte-americano Robert Nardolillo apresentou, na última semana, um projeto de lei que prevê o aumento da carga tributária sobre games violentos vendidos no estado de Rhode Island, do qual é um dos representantes. A ideia dele é utilizar os fundos obtidos com essa taxação adicional para projetos relacionados a tratamento e prevenção de doenças mentais em crianças e adolescentes, bem como iniciativas de aconselhamento de pais e filhos.

De acordo com a proposta, jogos que sejam classificados como indicados para maiores de 17 anos fariam parte do novo programa fiscal, que seria exclusivo do estado de Rhode Island. Por lá, hoje, as vendas de jogos já contam com 7% de impostos cobrados sobre o preço original de lançamento, o que faz com que eles saiam do valor padrão de US$ 59,90 para US$ 64,20. Com a mudança proposta, os jogadores teriam que pagar uma alíquota adicional de 10%, levando os jogos a custarem US$ 70,20.

Na ideia de Nardolillo, a taxa extra seria completamente depositada em um fundo especial, sob jurisdição do governo do estado, que distribuiria o montante entre as escolas de Rhode Island. Entre as atividades propostas estariam conversas com pais e filhos, apoio de psicólogos, programas de saúde mental e iniciativas para controle da raiva. O objetivo final seria criar um ambiente “calmo e seguro” para crianças e adolescentes, de forma a garantir um “amanhã mais pacífico”.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Em seu projeto de lei, o deputado afirma existirem evidências de que jovens submetidos a jogos violentos tendem a apresentar esse tipo de comportamento longe dos consoles, algo que não acontece com aqueles que não têm esse hábito. Nardolillo não cita estudos específicos sobre o tema, dizendo apenas que a ideia não é banir games dessa categoria, mas sim, garantir que os jogadores tenham uma maneira positiva de lidar com esse tipo de estímulo.

A proposição aparece após uma sequência assustadora de tiroteios em instituições de ensino dos Estados Unidos. Desde o começo do ano, o país tem enfrentado praticamente uma ocorrência do tipo por semana, em diferentes cidades. No mais recente, ocorrido na cidade de Parkland, no estado da Flórida, 17 pessoas morreram e outras 14 ficaram feridas após um ex-estudante, expulso da instituição, ter aberto fogo com um rifle depois de ativar o alarme de incêndio de uma escola de ensino médio.

A proposta de Nardolillo, que pertence ao partido republicano, também ecoa a comentários do presidente Donald Trump. Em discurso relacionado ao massacre de Parkland, ele afirmou acreditar que o aumento na violência dos jogos eletrônicos e filmes está “moldando” os pensamentos da juventude. Ele disse que algo precisa ser feito a esse respeito, citando de maneira específica apenas uma possível revisão nos métodos de classificação indicativa.

No passado, dois projetos de lei semelhantes ao do deputado de Rhode Island foram colocados em votação nos estados de Connecticut e Missouri. Em ambos os casos, as propostas foram feitas após tiroteios em escolas, mas não receberam a aprovação necessária para seguirem adiante.

Fonte: GameSpot

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.