Comissão da Bélgica acredita que loot boxes são equivalentes a jogos de azar

Por Redação | 23 de Novembro de 2017 às 09h51

A polêmica com relação às loot boxes de Star Wars Battlefront II já está batendo nas portas do governo, com a Bélgica anunciando investigações que podem levar ao banimento dessa mecânica não apenas no país, mas em toda a Europa. Pelo menos essa é a visão do diretor de uma comissão do país especializada em tais assuntos, Peter Naessens, que compara o sistema a jogos de azar.

Ele afirma que não existem dúvidas com relação a isso e é categórico: se um game apresenta algum tipo de jogo que envolve a sorte, ele pode ser considerado na categoria e, sendo assim, precisa de autorização da comissão. Isso, também, envolve outros quesitos que empresas como a Electronic Arts, e muito menos a dona da marca, a Disney, gostariam de ver associados a Star Wars, como venda restrita e um aumento na classificação indicativa.

Para Naessens, a maior questão é quanto aos efeitos desse tipo de dinâmica sobre a saúde mental dos jovens. Segundo ele, se existe uma mistura entre o investimento de dinheiro e a possibilidade randômica de obter itens a partir de pacotes desconhecidos, isso constitui um jogo de azar e, sendo assim, pode levar ao vício, principalmente no caso dos mais novos.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Até o ministro da Justiça da Bélgica, Koen Geens, apoiou a questão, afirmando que a ideia é banir esse tipo de sistema não apenas no país, mas em toda a Europa. Por enquanto, entretanto, a Comissão de Jogos da Bélgica ainda investiga não apenas o caso de Star Wars Battlefront II, mas observa também o que é feito em outros títulos como Overwatch e Heroes of the Storm.

Até que exista efetivamente uma proibição, ainda há um bom caminho a percorrer. Outros países também estão trafegando vias semelhantes, como os Estados Unidos, onde o senador Chris Lee, do estado do Havaí, afirmou que Battlefront II nada mais é do que um “cassino temático de Star Wars”.

A polêmica está relacionada aos métodos de liberação de personagens e progressão no título, ambos completamente associados ao uso de créditos. Tais pontos podem ser obtidos jogando o próprio game, em um ritmo lento, ou, em uma possibilidade removida pela distribuidora EA no dia anterior ao lançamento, adquiridos com dinheiro de verdade para um progresso mais rápido e liberação dos heróis desejados.

Com exceção do desbloqueio de personagens como Luke Skywalker, Darth Vader, Chewbacca e outros, todos os aspectos relacionados à evolução dos soldados comuns – que o jogador controlará durante a maior parte do game – estão associados às loot boxes. O jogador até sabe que receberá algumas habilidades na caixa, mas não tem como saber quais são, com elas sendo completamente aleatórias.

A aplicação de mecânicas desse tipo, que também aparece em Need for Speed Payback, outro lançamento recente da Electronic Arts, levou não apenas a problemas com o governo, mas também com o público – levando a baixas vendas de Star Wars Battlefront II – e até mesmo com a própria Disney. De acordo com os rumores, a dona da marca teria ameaçado a EA com a perda da licença devido à demora da companhia em lidar com o problema e a reação extremamente negativa dos fãs.

Desde que desativou as microtransações no game, entretanto, a distribuidora permanece calada. A companhia já disse que o uso de dinheiro de verdade para compra de créditos retornará a Star Wars Battlefront II, mas afirmou que isso acontecerá de forma a não atrapalhar o progresso e garantir equilíbrio com aqueles que não desejam enfiar a mão no bolso.

Fonte: RTBF, GameSpot

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.