WRC 7 reforça e aprimora os pontos fortes da série, mas não inova [Análise]

Por Eduardo Hayashi | 05 de Outubro de 2017 às 13h18

Por mais que o cenário de jogos de corrida já esteja muito bem representado por títulos de grande porte como Forza Motorsport, Need for Speed, Project CARS e Gran Turismo, ainda há espaço para games voltados para subcategorias deste nicho.

WRC 7 é um bom exemplo disso. Direcionado aos amantes de corridas de rally, a franquia World Rally Championship foi desenvolvida originalmente pela Evolution Studios em 2001 para Playstation 2. Desde então, a série de jogos passou pela mão da Milestone, entre 2010 e 2013, e finalmente para o estúdio francês Kylotonn, a partir de 2015.

Embora a série WRC tenha passado por alguns hiatos desde a sua primeira iteração, a frequência de publicação de jogos sempre foi anual, seguindo o formato de diversos outros jogos esportivos, a exemplo de FIFA, PES, Madden NFL, NBA e outros.

Outra característica marcante é que o game é licenciado pela FIA (Federação Internacional do Automóvel), o que garante a presença dos modelos de carros reais e pilotos da World Rally Championship, a maior competição de rally do mundo. Dito isso, podemos saber, de forma superficial, o que esperar de WRC 7.

Mas vamos deixar a introdução de lado e partir para a análise!

Primeiros passos

Quem conhece a série WRC, sabe que o game exige certa experiência com jogos de carro. Entretanto, nem por isso o novo game deixa os novatos completamente de lado, oferecendo uma partida inicial para testar suas habilidades no volante. Após esta etapa, é sugerido um nível de dificuldade e ajustes de jogabilidade que se adequam ao seu desempenho.

Modos de jogo

De modo geral, as modalidades de jogo do WRC 7 não apresentam novidades em relação ao WRC 6. No ‘Single Player’ temos o modo ‘Jogo Rápido’, com todas as pistas e carros desbloqueados, e a modalidade de campanha ‘Carreira’, no qual é necessário gerenciar contratos com empresas e crescer dentro de sua equipe até alcançar as maiores ligas da modalidade.

Há também o ‘Custom Championship’, possibilitando a criação de competições com regras escolhidas pelo jogador; e o ‘Driving Test’, que permite realizar uma nova avaliação para que o game se adapte novamente ao seu nível de habilidade.

No multiplayer podemos entrar em lobbys de outras pessoas ou criar partidas com regras únicas no ‘Multijogador Online’. As famosas partidas locais em tela dividida (Split screen) também marcam presença no game, bem como o modo ‘Hot Seat’, que propõem corridas em que os participantes alternam a vez para disputar pelo melhor resultado em uma pista específica.

Outra opção interessante é a ‘Online Challenges’, que oferece semanalmente diversos desafios temporários para testar a sua perícia em situações variadas.

Simulação e ambientação

Se há um aspecto que realmente merece destaque neste novo game é o de simulação da física, que agora proporciona uma experiência de dirigibilidade muito mais sólida com melhorias significativas.

Todo este empenho por parte dos desenvolvedores pode ser facilmente notado ao dirigir por estradas cheias de cascalho ou durante as variações de nivelamento da pista, que impactam diretamente na forma como o carro se comporta, sobretudo em velocidades mais altas.

Outro aspecto que não pode ser deixado de lado é o sistema de simulação de danos do WRC 7, que, quando ativado no menu de opções, oferece uma experiência muito mais realista, com batidas e colisões afetando diretamente na forma como o seu veículo se comporta ao longo do percurso.

O mesmo capricho também  pode ser encontrado na parte visual dos cenários e até mesmo dos próprios carros, com representações extremamente semelhantes aos modelos reais. Os efeitos sonoros e visuais também não deixam a desejar, proporcionando momentos únicos e imersivos em terrenos arenosos e úmidos, ou situações de mudanças climáticas, a exemplo de tempestades e pistas congeladas pela neve.

Carros e pistas

O game possui 13 diferentes localidades, também chamadas de Rallys, que representam as etapas reais das competições da liga mundial ao redor do mundo, incluindo as pistas Monte Carlo (Mônaco), Karlstad (Suécia), León (México), entre outras opções. Cada um desses mapas oferece 4 opções de circuitos, sendo que há uma tela especial para cada país, que oferece percursos muito mais extensos do que o normal, com tempo médio de partida entre 15 e 17 minutos de duração.

As alternativas de veículos se resumem à lista oficial das categorias 'Junior WRC', 'WRC' e 'WRC 2', variando entre os modelos modificados do Citroën C3, Citroën DS3 R5, Ford Fiesta R5, Hyundai i20 Coupe, Toyota Yaris, Volkswagen Polo, entre outros.

Fazendo a matemática básica, são 52 variações de pistas e 15 opções de carros, o que parece ser um bom número para agradar aos entusiastas, mas que acaba decepcionando um pouco por não oferecer alternativas que vão além do óbvio para um jogo baseado na WRC.

Algumas “derrapadas” na jogabilidade

É muito provável que grande parte do público de WRC 7 utilize volante, e isso realmente melhora muito a experiência. Mas, e se você não possuir este tipo de periférico? Bem, é aí começam as más notícias…

Para entender melhor esse problema, precisamos ter em mente que WRC 7 é um jogo que exige muita precisão ao fazer curvas ou simplesmente para manter a estabilidade do veículo nas superfícies irregulares das pistas; e tais nuances de comandos raramente são atingidas com o analógico de um controle convencional, ou pior, com um teclado.

Esta é uma das maiores barreiras de jogo, limando todas as possibilidades de ele atrair um público mais leigo, que dificilmente consideraria a aquisição de um volante apenas para este título.

Outro ponto fraco da jogabilidade são as instruções de voz robóticas e artificiais do copiloto, representadas também por sinalizações na tela para informar com antecedência os perigos das pistas, que não chegam a penalizar o jogador de forma direta, mas que podem prejudicar consideravelmente a imersão.

Veredito

WRC 7 consegue mostrar uma evolução muito clara em relação aos seus antecessores, aprimorando os elementos de simulação de física e trazendo pistas e cenários muito mais detalhados do que na versão anterior. Tais pontos positivos fazem do game uma escolha altamente recomendada para gamers que curtem uma experiência focada na simulação.

Porém, não podemos deixar de notar a falta de novidades e inovações no game em comparação com a sua edição de 2016, o que evidencia que a desenvolvedora trabalhou apenas no refinamento dos elementos básicos da série, abrindo mão do público casual pela total ausência de modos de corrida com uma pegada mais divertida e intuitiva.

No final das contas, WRC 7 não é um jogo que oferece a mesma gama de possibilidades de DiRT 4, um dos maiores expoentes do gênero da atualidade. Contudo, não se pode deixar de considerar as melhorias desta nova iteração como um sinal de que a Kylotonn está no caminho certo para consolidar o seu nome no mercado dos games de corrida, ainda que apenas em seu nicho.

WRC 7 foi analisado no PlayStation 4 com cópia digital gentilmente cedida ao Canaltech pela Sony Music Games.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.