Análise | Distortions é um sonho inspirado e belo, mas inconstante

Sonhos e devaneios são a palavra de ordem em Distortions. Na aventura, lançada em 1º de março exclusivamente para o PC, o jogador é levado por uma terra fantástica, habitada por monstros e perigos, mas também por memórias e sensações bem reais, embaladas por música e cor.

É, também, a culminação de nove anos de trabalho para a produtora. Vencedora de prêmios em festivais de games independentes e enaltecida como um dos grandes expoentes do desenvolvimento nacional de jogos, a Among Giants entrega agora seu primeiro trabalho autoral, fruto de suor, lágrimas e mudanças de vida para seu pequeno grupo de criadores. Muito disso transparece.

O que temos aqui é uma história incrivelmente pessoal. Estamos na pele de uma personagem chamada apenas de “A Menina”, que se encontra em um labirinto surreal de lembranças nem sempre positivas, ensejos vagamente conhecidos e mistérios que apenas ela parece ser capaz de desvendar. Tudo isso enquanto um monstro observa tudo, ao longe, e em cuja direção ela parece estar sendo atraída.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Tudo em Distortions soa exatamente como o título indica. Nada é o que parece e as dinâmicas desse mundo mudam a todo momento, muitas vezes entre uma transição de tela e outra. Assim, a Among Giants viaja por um universo de estilos e influências, combinando diferentes formas de se jogar sem que essa salada pareça artificial.

Estamos observando tudo de uma perspectiva tridimensional, mas, vira e mexe, somos levados a uma perspectiva em primeira pessoa, que permite observar melhor os cenários e buscar itens. Em outros, momentos de perseguição com visão lateral ao melhor estilo Limbo são precedidos por uma mudança completa na visão, em que passamos a observar a Menina a partir dos olhos de um oponente.

E esses são apenas dois exemplos de diferentes abordagens dadas pela Among Giants à jogabilidade de Distortions. Estamos em um ambiente em que nada funciona da maneira convencional, então, navegando por influências que vão desde Shadow of the Colossus até Guitar Hero, a tentativa é de entregar um game que tenha variação, mas, ao mesmo tempo, uma estranha coerência.

Distortions varia, tela a tela, entre diferentes estilos (Imagem: Among Giants)

Uma das principais questões, porém, é que essa falta de constância acaba se refletindo de maneira negativa na jogabilidade. Na mesma medida em que é inspirado e recheado de um curioso potencial, Distortions também peca ao apresentar diversos bugs que vão tornar a imersão e entendimento deste mundo muito mais difícil.

A Among Giants tem trabalhado constantemente em atualizações e correções, mas, durante nosso tempo de análise, enfrentamos diversos travamentos e dificuldades, principalmente durante a jogabilidade tridimensional em que passamos a maior parte do tempo. Dá para perceber que elementos do cenário não carregam direito e, muitas vezes, podem impedir o acesso a um item chave para seguir em frente, com a única alternativa sendo reiniciar o jogo.

Estamos falando, entretanto, de um mundo bizarro, o que dificulta a diferenciação entre os bugs e aquilo que é, intencionalmente, meio estranho. Aquele item à distância, no meio do mar, sem nenhuma plataforma em volta, deveria realmente estar lá? E esse salto que nos faz travar na colisão com as superfícies deveria ser, na verdade, uma superfície estreita pela qual deveríamos passar? Só descobrimos a verdade tentando seguir em frente, muitas vezes, sem sucesso.

Os belos gráficos e trilha de Distortions contrastam com os problemas de jogabilidade (Imagem: Among Giants)

Em certos momentos, a única alternativa para continuar avançando é retornar ao último ponto de salvamento e tentar de novo. A jogabilidade é um dos aspectos primordiais de qualquer jogo, e essa falha deve fazer com que a experiência com Distortions, apesar de suas diferentes qualidades, se torne desagradável para muita gente.

Todo poder à música

Um outro aspecto de Distortions, porém, pode ser definido simplesmente como encantador. Nos cenários estranhos do game, a única arma do jogador é um violino, e a música tem papel fundamental não apenas na resolução de enigmas e encontros com inimigos, mas também no enredo. É a partir dos sons que tudo segue adiante e é com ele que vamos encontrar as chaves desse mistério e descobrir as angústias e terrores que estão dentro da mente da protagonista.

A trilha sonora acompanha as mudanças de jogabilidade. Momentos mais densos e contemplativos acompanham áudio tranquilo e calmo, muitas vezes com uma única nota. Em outros, guitarras mais pesadas e um rock indie incitam o jogador a correr o mais rapidamente possível das ameaças que estão vindo logo atrás, ampliando a tensão, mas sem tornar o clima caótico demais. Durante todo o tempo, o que fica é uma sensação de plenitude misteriosa.

O violino é a arma para manipular o mundo de Distortions (Imagem: Among Giants)

No uso do instrumento, mais influências. Poderes podem ser ativados com a execução de músicas específicas no violino, seguindo uma sequência de cores e pressionamento de botões que aparecem na tela ao melhor estilo Guitar Hero. É por elas, por exemplo, que o usuário silencia o som de seus próprios passos para não chamar a atenção de criaturas ou cria barreiras para se proteger de ataques.

Em outras situações, as canções são capazes de alterar o próprio mundo. Partituras encontradas nas paredes de pedra abrem caminhos ou desvendam enigmas, exigindo uma boa dose de atenção do jogador. É preciso entender exatamente como as notas musicais funcionam para executá-las em ordem, no melhor estilo The Legend of Zelda: Ocarina of Time. Quem quiser, também pode se arriscar na execução de outras músicas a partir dessa interface, acessível durante praticamente todo o jogo.

Aqui, felizmente, poucos problemas. Quem utilizar controle deve perceber atraso na detecção dos botões pressionados em alguns momentos, mas, na maioria do tempo, o resultado não só é preciso, como também incrivelmente bonito. A música nos acompanha em todos os momentos, é a responsável por causar muitas das distorções do título, mas, ao mesmo tempo, parece ser o caminho para a própria redenção. 

Mundo surreal de Distortions dá vazão à belíssima arte do jogo (Imagem: Among Giants)

O resultado dessa mistura é um dos títulos nacionais mais vistosos e interessantes já lançados, mas que, como quase todo ambicioso projeto independente, sofre de falhas primordiais. As boas ideias relacionadas ao uso da música como arma, a trilha sonora muito bem casada com as cenas e, acima de tudo, os gráficos muito bonitos e arte acertada acabam sofrendo bastante com uma jogabilidade falha e cheia de problemas.

É aqui que está a barreira que deve impedir muita gente de aproveitar plenamente esse enredo. Há muito o que explorar e tocar em Distortions, com uma história que não é contada de maneira convencional e apresenta novidades a cada nova tela. Entretanto, seguir adiante nesse enredo acaba não sendo tarefa das melhores, em um aspecto que acaba depondo contra todo o conjunto.

* Distortions foi analisado no PC, em cópia digital cedida gentilmente ao Canaltech pela Among Giants.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.