Valve é a empresa em que desenvolvedores mais gostariam de trabalhar

Por Redação | 21.08.2014 às 09:37
photo_camera Divulgação

Sony? Microsoft? Nintendo? Que nada! Na opinião de desenvolvedores e profissionais da indústria de jogos eletrônicos, a empresa dos sonhos é a Valve. Esse foi o resultado de uma pesquisa divulgada recentemente pela International Game Developers Association (Associação dos Desenvolvedores de Jogos Independentes), que entrevistou cerca de 2.200 desenvolvedores em todo o mundo, inclusive aqui no Brasil, para saber em qual companhia eles mais gostariam de trabalhar.

De acordo com o site Gamesindustry, a entidade de Gabe Newell superou outras gigantes do setor, como a Activision Blizzard, a Ubisoft e até a Nintendo, que aparecem, respectivamente, em terceiro, quinto e sétimo lugar no ranking. Inclusive, muitos desses profissionais afirmam que trocariam o atual emprego ou a própria companhia caso surgisse uma oportunidade de integrar o time de funcionários da empresa responsável pelo Steam.

Veja abaixo as 10 companhias mais desejadas pelos desenvolvedores:

  1. Valve (Half Life, Portal, Counter Strike, Dota, Steam)
  2. Minha própria empresa
  3. Activision Blizzard (Starcraft, World of Warcraft, Diablo, Call of Duty, Destiny)
  4. BioWare (Dragon Age, Mass Effect)
  5. Ubisoft (Assassin's Creed, Far Cry, Rayman, Watch_Dogs)
  6. Empregador atual
  7. Nintendo (Mario, The Legend of Zelda, Polémon, Doney Kong)
  8. Naughty Dog (Uncharted, The Last of Us, Crash Bandicoot)
  9. Double Fine (Broken Age, Psychonauts, Brutal Legend)
  10. Bethesda Game Studios (The Elder Scrolls, Fallout 3, Wolfenstein)

A escolha da Valve pelos profissionais da área de games tem uma explicação. A empresa não possui uma hierarquia definida, ou seja, não existem chefes, nem outros líderes para os empregados darem satisfações. O que acontece lá dentro é que os desenvolvedores são divididos em pequenos times que têm uma grande liberdade para produzir o que quiserem, permitindo que os profissionais se reúnam quando acharem melhor. A única exigência é que os projetos desenvolvidos sejam os melhores possíveis.

Outro benefício é que a companhia não costuma contar os dias de férias que os funcionários tiram e muito menos as horas trabalhadas. Além disso, como se trata de uma empresa privada (sem acionistas), não existe aquela obrigação de apresentar relatórios financeiros abertos ao público em determinados períodos do ano. Apesar disso, não é muito dificil imaginar o lucro gerado pela companhia, ainda mais levando em consideração jogos de enorme sucesso, como Counter Strike: Global Offensive, Dota 2, Left 4 Dead e Half-Life 2.

Isso sem contar na plataforma Steam, que praticamente se tornou o monopólio da distribuição de jogos para computador – especialmente nas temporadas de promoções absurdas promovidas pela Valve, com jogos até 90% mais baratos que o preço original. Segundo dados recentes da própria Valve, o Steam conta hoje com 75 milhões de usuários, um número que cresce 30% ao ano.