Proteção “censura” toda a tela de versões piratas de The Sims 4

Por Redação | 05.09.2014 às 11:50

Em um mundo de sistemas de verificação invasivos e obrigatoriedade de se jogar conectado à internet para garantir que sua cópia de um game é real, eventualmente surgem medidas mais criativas e interessantes para combater a pirataria. É o caso da prática adotada pela Maxis e pela Electronic Arts, respectivamente desenvolvedora e distribuidora de The Sims 4, para impedir que os bucaneiros joguem o recém-lançado game.

No que inicialmente parece um bug, toda a tela é tomada por um filtro quadriculado para cobrir a nudez semelhante ao que aparece quando os personagens do game tomam um banho. O resultado é um game pixelado, como um todo, e praticamente impossível de ser jogado, a não ser que o usuário curta lembrar os velhos tempos em que títulos para o computador tinham pouquíssimos pixels e a imaginação fazia o trabalho de preencher as lacunas.

E o melhor de tudo é que, inicialmente, os próprios usuários de cópias piratas se revelaram em fóruns oficiais. Tentando se passar por jogadores legítimos, alguns criaram tópicos no fórum oficial da Electronic Arts, por exemplo, pedindo ajuda para consertar um suposto glitch que estaria afetando o game. A resposta, porém, era sempre parecida: compre uma cópia legítima que o problema não vai acontecer mais.

A diversão, porém, durou pouco. Hackers e modders já conseguiram reverter o problema e, agora, cópias piratas de The Sims 4 já contam com um sistema que impede a censura geral. Ainda assim, para a EA, é uma alternativa que continuará tendo seu uso, já que a tendência é que os jogadores afetados encontrem, em uma busca no Google, os avisos sobre a compra do game legítimo antes das soluções para resolver o bug intencional.

Essa não é a primeira vez que desenvolvedores de games aplicam medidas diferentes para conter a pirataria ou, pelo menos, dificultar a vida de quem baixa seus títulos ilegalmente. Em Serious Sam 3: BFE, por exemplo, o jogador encontrava um inimigo imortal e implacável logo no primeiro nível do game, enquanto o simulador de produção de jogos Game Dev Tycoon levava a empresa do jogador à falência por causa, justamente, dos usuários que faziam o download ilegal de suas obras.