CEO da 2K Games diz que mercado está pronto para nova geração de consoles

Por Redação | 05.08.2012 às 18:35

A nova geração de consoles está próxima e algumas perguntas pairam na nossa mente, principalmente se estamos preparados para o que está por vir. Empolgação dos jogadores não falta, porque nada como ver um máquina novinha em folha nos oferecendo o melhor, do melhor do entretenimento. Mas com o Xbox 360 e o PS3 ainda ativos, mais vivos do que nunca, basta saber se não só nós, mas o mercado também está bom das pernas para receber as novas tecnologias.

De acordo com o "big boss" da 2K Games, sim. Durante entrevista ao GamesIndustry.biz, Christoph Hartmann falou sobre o que as novas plataformas significarão para seus maiores sucessos, Bioshock e Borderlands. Para ele, "o mercado está pronto para levar os jogos para o próximo nível, depois do mais longo ciclo que já tivemos. Existe a necessidade de evoluirmos, por isso precisamos dessa inovação iminente".

Algumas desenvolvedoras já receberam os hardwares da Sony e Microsoft para testarem suas produções, porém ainda há receio em fazer apostas elevadas sem se ter conhecimento total do desempenho dos novos consoles. Com a 2K Games não é diferente e Hartmann aproveitou para falar que os criadores de jogos têm de caprichar na qualidade gráfica de seus títulos. Porém, nem o seu estúdio está tão preparado assim.

BIOSHOCK

"Ainda não temos a mínima noção sobre o que está por vir, por isso nossa preparação ainda não é das melhores. Não temos nenhum plano concreto. É praticamente o mesmo que aconteceu com o Wii U. Somos cautelosos sobre onde colocamos nosso esforço, porém não vemos a hora de esperimentarmos coisas novas", disse.

Ainda sob a sua perspectiva, todos os desenvolvedores precisam realmente se focar no visual, especialmente, se quiserem marcar o sucesso no futuro. Além disso, a expansão da criatividade é mais do que necessária nesse período em que Halo, Medal Of Honor, Battlefield, Crysis e outros insistem em abarrotar o mercado com suas histórias repetitivas.

"Recriar toda a ação de Missão Impossível em um jogo é fácil, mas recriar emoções é muito difícil. É um passo complicado usar de sentimentos como o amor ou a tristeza para dar vida para um jogo - coisas que realmente fazem os filmes serem mais interessantes e profundos", completou.

Pelo jeito devemos esperar muito dos novos vídeogames, e talvez com um realismo muito mais aprimorado do que o da atual geração.

Valendo cada centavo é o que importa.