Para Electronic Arts, tablets serão mais poderosos que consoles até 2018

Por Redação | 10 de Fevereiro de 2015 às 15h03
photo_camera Divulgação

De um lado, temos uma indústria que já começa a apresentar sinais de saturação, mas ainda assim continua crescendo e tem dezenas de lançamentos todos os anos. De outro, um mercado já consolidado, com poucas opções de hardware e ciclos de vida que chegam a durar uma década. Para o diretor financeiro da Electronic Arts, Blake Jorgensen, essa diferença fundamental entre o mundo mobile e o de video games vai fazer com que tablets tenham mais poder gráfico que os consoles até 2018.

Falando durante a Technology, Internet & Media Conference, o executivo apostou grande nos dispositivos portáteis, afirmando que eles apresentarão no futuro próximo mais possibilidades no mercado de games. Isso inclui principalmente o contato com um público bem maior, que tem tablets e celulares em casa, mas não gosta de games o suficiente para adquirir um console.

Com todo esse desenvolvimento de tecnologia, Jorgensen vê também um avanço no desenvolvimento dos jogos em si. Enquanto títulos casuais, baseados em quebra-cabeças ou união de peças, ainda fazem bastante sucesso, cada vez mais games bem trabalhados, com enredo, boa jogabilidade e personagens profundos também começam a sair para tais plataformas. É um movimento que está levando muitos produtores consagrados para o mundo mobile e, com eles, a tendência é que os jogadores também comecem a dar mais atenção para tais dispositivos. As informações são do site Gamespot.

O executivo conclui seu pensamento afirmando que já se foi o tempo em que títulos para celular eram simples e estáticos, daquele tipo que você abre apenas enquanto espera na fila ou aguarda o ônibus. Experiências muito mais imersivas já existem e, com esse crescimento no potencial gráfico e de processamento, a ideia é que iniciativas assim sejam cada vez mais frequentes.

É uma afirmação que, sem dúvida, vai mexer com os gamers mais tradicionais, que normalmente classificam as plataformas mobile como um terreno dos jogadores casuais. Ainda assim, não dá para negar a expansão e desenvolvimento do setor, com grandes empresas como a NVIDIA e a Apple trabalhando duro para que games com qualidade e primor gráfico estejam presentes nos dispositivos móveis.

Vale lembrar que esse crescimento do mercado configura-se como extremamente interessante para a própria Electronic Arts, que vê seu faturamento nos games para celulares e tablets aumentando cada vez mais a cada relatório fiscal. Aqui, o grande foco são os games free-to-play, que são gratuitos para baixar, mas envolvem transações com dinheiro de verdade para compra de itens, vidas ou regalias especiais.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.