Nintendo quer acabar com a trava de região de seus consoles

Por Redação | 03 de Novembro de 2014 às 15h15
photo_camera Divulgação

Cada vez mais fica a impressão de que a Nintendo precisou passar pelas dificuldades financeiras em que se encontra no momento para se reconectar ao público. Em uma sessão com investidores que se seguiu à recente divulgação de resultados da empresa – a primeira com lucro depois de muito tempo –, o CEO Satoru Iwata disse que as travas de região presentes em seus consoles podem deixar de existir no futuro.

Trata-se de uma característica bastante criticada pelos fãs e que não está presente nos consoles da concorrência, como o PlayStation 4 e o Xbox One. O Wii U e o Nintendo 3DS não podem rodar jogos de uma região diferente daquela em que foram fabricados. Você, por exemplo, não é capaz de jogar um game japonês em seu portátil adquirido nos Estados Unidos.

A restrição é alvo de críticas constantes dos usuários devido ao fato de muitos títulos, principalmente RPGs japoneses ou os games da série Fatal Frame, nunca deixarem o mercado asiático. Mesmo quando isso acontece, a espera pode ser de alguns anos entre um lançamento e outro, algo que poderia simplesmente não existir caso os consoles não tivessem a tal trava de região.

E é justamente nisso que Iwata está pensando. Mais do que atender a um pedido dos fãs, trata-se de reduzir os custos de produção e localização de games. Neste caso, a chegada de um título puramente asiático ao Ocidente, por exemplo, pode nem sempre valer a pena devido à parcela reduzida de fãs que estariam dispostos a adquirir o produto. Com o fim do bloqueio, a Nintendo possibilitaria que eles importassem seus jogos preferidos e os aproveitassem sem problemas.

Por outro lado, a ideia não é tão simples assim. Mais do que uma questão de mercado, Iwata explica que os lançamentos segmentados também podem se relacionar a questões de licenciamento, que impedem títulos de deixarem um determinado território. É justamente por isso que as travas de regiões existem. Segundo o CEO, trata-se de uma medida protecionista imposta principalmente pelos varejistas.

As novas declarações não significam que o Wii U e o Nintendo 3DS possam ter o bloqueio suspenso em algum momento futuro, já que a ideia de Iwata é pensar para frente. Mesmo que os consoles não contem com a "destrava" de região, parece bastante provável que a próxima geração de consoles da Big N não contará mais com tal recurso.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.