Game erótico usa realidade virtual para envolver o jogador

Por Redação | 19.12.2013 às 17:52

A indústria da pornografia está sempre na vanguarda da tecnologia, adotando antecipadamente muitas tendências e até mesmo lançando suas próprias. Agora, esse mercado chegou também ao Oculus Rift, aparelho que garante maior imersão em realidade virtual, com o anúncio de Wiked Paradise.

Com uma equipe de desenvolvimento formada por gente que já trabalhou em games como Call of Duty, Rage e Madden, o título erótico vai colocar o jogador como efetivo protagonista da ação. O Oculus Rift detecta os movimentos da cabeça e os acompanha no jogo, enquanto os controles são manuais, da maneira tradicional.

Segundo o criador do projeto Jeroen Van de Bosch, em entrevista ao site Road to VR, não se trata de pornografia pura e simples, mas sim de uma experiência rica e envolvente que promete engajar o jogador. Para ele, é preciso que o jogador se importe com os personagens para que se sinta atraído por eles, e é exatamente isso que Wicked Paradise quer proporcionar. As referências são boas, já que o criador diz ter Mass Effect como sua maior inspiração.

Para garantir maior realismo e qualidade, os movimentos das mulheres estão sendo captados a partir de atrizes reais, por meio da tecnologia de captura de movimentos. Assim, basta aplicar o comportamento real da pessoa ao modelo virtual, garantindo uma maior naturalidade e, nesse caso, sensualidade às moças de Wicked Paradise.

Como um seriado

A promessa da desenvolvedora é lançar o título em 2014, com o próprio Oculus Rift. O título para PC será liberado em um formato episódico, ou seja, com novos capítulos chegando individualmente ao mercado e podendo ser jogados separadamente. O foco será na conquista, com cenas em bares e flertes que podem resultar em noites apaixonadas.

Van de Bosch conta que, de início, será possível jogar apenas com homens heterossexuais. O título, porém, também deve contar com opções para mulheres e o público gay, de forma a garantir a maior amplitude possível e o respeito às diferenças.