Distribuidora chama banimento de GTA 5 na Austrália de "censura"

Por Redação | 10 de Dezembro de 2014 às 14h06
photo_camera Reprodução

Na última semana, duas das principais varejistas australianas decidiram parar de vender o game Grand Theft Auto V, e também algumas versões anteriores da mesma franquia, após receberem reclamações de consumidores em relação às cenas de violência contra as mulheres. O game, notório por sua polêmica, foi relançado recentemente para o Xbox One e PlayStation 4, trazendo exatamente o mesmo conteúdo controverso, brutal e, para muitos, extremamente divertido de sua edição original, do ano passado.

Mas, segundo o presidente da distribuidora Take-Two, Karl Slatoff, a decisão não deve afetar os números de vendas de GTA 5 no país, nem o faturamento total da empresa. Segundo ele, a Austrália não é um mercado tão grande assim para a publicadora e, dentro desse universo, as lojas das redes Kmart e Target representam uma parcela ainda menor. Existem diversos outros estabelecimentos vendendo o game no território e, quem quiser, pode simplesmente adquiri-lo em outro lugar.

Falando durante a conferência BMO Capital Markets 2014, conforme reportado pelo GamesIndustry, Slatoff disse não ter problemas em relação às pessoas que possam se sentir ofendidas com o conteúdo de GTA 5. Por outro lado, disse estar bastante impressionado com a decisão das lojas ao banir o game, uma alternativa que ele considerou bem próxima da censura.

“É uma coisa quando alguém não quer comprar um conteúdo, isso é compreensível. Mas quando uma pessoa ou grupo toma essa decisão para milhões de pessoas, isso vai contra as bases de uma sociedade livre”, afirmou. Além disso, citou as 34 milhões de cópias de Grand Theft Auto V já vendidas em todo o mundo, além dos números tão exorbitantes quanto dos outros games da franquia, como uma forma de provar que a decisão das lojas australianas não representa, de maneira alguma, uma vontade geral do público. “Se você não gosta de algo, então não compre”, finalizou.

Essa não é a primeira vez que a série GTA se envolve em polêmicas relacionadas à sua violência, o que normalmente inclui retiradas do game das lojas. Em 2010, inclusive, a justiça brasileira emitiu liminar proibindo, em todo o mundo, a venda de Grand Theft Auto IV: The Ballad of Gay Tony. A decisão, porém, não teve a ver com os temas do game, e sim, ao uso indevido da faixa “Bota o Dedinho Pro Alto”, de MC Miltinho, que teria sido usada sem autorização ou pagamento de royalties.

Siga o Canaltech no Twitter!

Não perca nenhuma novidade do mundo da tecnologia.