Axis School of Visual Effects promete fomentar mercado nacional de VFX

Por Felipe Santana Felix | 21 de Março de 2013 às 06h05

Há dois anos o fundador da Gnomon, Alex Alvarez, veio ao primeiro encontro internacional de computação gráfica brasileiro, o The Union. Organizado por Alessandro Bomfim, fundador da Saga, o evento discutiu assuntos do mercado brasileiro e serviu para estreitar os laços entre os dois executivos.

Talvez por milagre, magia ou por simples convicção, o sócio da Saga mostrou ao fundador da Gnomon um Brasil faminto por criatividade e conseguiu o apoio da escola hollywoodiana para iniciar o que hoje é a Axis School of Visual Effects. Segundo ele, "nossa ideia não foi apenas buscar uma parceria e sim realizar o sonho de construir um mercado nacional de efeitos visuais. A Axis é o primeiro passo para isso, construímos da ideia aos tijolos".

Este é o primeiro projeto da Gnomon fora da árvore sagrada. Tendo como colaboradores artistas digitais com participação em filmes e games como Avatar, Star Trek, Prometheus, World of Warcraft, Stacraft II e Diablo 3, inúmeros talentos procuram a escola para se especializar em diversos ramos de VFX e buscar o tão sonhado emprego na indústria de entretenimento digital.

A instituição é tão reconhecida pelo mercado que em 2011 foi apontada pela revista Fast Company como uma das 10 empresas mais inovadoras no cinema e, segundo Alessandro, 97% dos alunos formados são absorvidos pelo mercado.

De acordo com os envolvidos no projeto, a Axis pretende operar no Brasil com o mesmo padrão de qualidade de sua parceira e, para garantir isso tudo, tem o dedo de profissionais da Gnomon. Desde a aprovação dos alunos até a grade do curso. Sim, é preciso ter seu portfólio avaliado para poder se matricular no curso principal da escola.

Ao todo a escola possui três tipos de produtos educativos. O principal é o curso Full time, com duração de dois anos e carga horária integral. Ele visa formar profissionais completos em todos os aspectos do mercado de efeitos visuais, passando por módulos de modelagens variadas, efeitos dinâmicos e demo reel.

A escola também possui cursos de extensões para aprimoramento e especialização em determinadas áreas e Master Classes, ministradas pontualmente, por grandes nomes dos efeitos visuais.

Para garantir qualidade de ensino em todos os aspectos, a escola conta com 5 salas capacitadas para 15 alunos, auditório com 75 lugares, sala de escultura, sala de desenho tradicional, sala de desenho com modelo vivo, estudio de Chroma Key e espaço de convivência com fliperama.

Bomfim afirma que o principal objetivo da Axis é fomentar o mercado nacional, formando mão de obra extremamente qualificada para a nossa indústria cinematográfica e de games. De acordo com ele, o brasileiro tem um enorme potencial para a criatividade e nossos talentos lá fora comprovam isso. Na apresentação, o executivo mostrou trabalhos de artistas daqui como Kris Costa, Andre Metello, Alex Concado e Carlos Saldanha.

Convidado especial da inauguração da escola, o britânico Neville Page, artista gráfico extremamente respeitado por trabalhos em Avatar, Prometheus e diversos outros filmes de sucesso, sacramenta a afirmação de Alessandro dizendo qual foi sua sensação ao conversar com os alunos das classes experimentais. "Já fui em todos os lugares do mundo, mas a fome por arte que vi nos alunos que iniciaram as aulas laboratório na Axis, eu não encontrei em nenhum destes lugares. Não sei o que é, se está na água, no ar ou na comida".

Se avaliarmos o cenário nacional, o momento para a inauguração da escola é muito favorável. O Brasil está em uma etapa decisiva para seu futuro que envolve tecnologia e economia criativa, e realmente uma das grandes reclamações de empresas que trabalham com computação gráfica é a falta de uma formação avançada para os brasileiros. O lançamento da Axis pode não ser a solução completa, mas oferecerá mão de obra qualificada para as empresas do setor e permitirá a estes alunos irem atrás de seus sonhos.

A escola abre suas portas para matrícula em abril e seu curso principal, Full Time, custa cerca de R$ 64mil.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.