Análise do Jogo: Patapon 3

Por Ultra Downloads

Pata pata pata pon! Esse ritmo grudento faz parte do joguinho da Sony que leva, praticamente, o mesmo nome: Patapon.

Quando foi lançado em 2007, pela empresa japonesa, esse game musical foi um sucesso de vendas, e por conta, disso vieram mais duas sequências: Patapon 2 e Patapon 3. O último foi lançado recentemente para PSP.

Para os que pensam que o título é infantil por apresentar cores demais, pode reter seu preconceito aí mesmo. Na maioria da vezes é o que sugerem os mais conservadores em termos de jogatina adulta, mas a medida que você avança na aventura, sua perspicácia é colocada à prova. Duvida?

Quem jogou os primeiros títulos irá se lembrar que os gráficos sempre foram simples, em 2D. Não há muito o que fazer, pois o cenário não tem uma ambientação extensa comparado ao que tem saído em 3D por aí. É simples, porém o que importa nesse caso é o tamanho da diversão. E acredite, ela é grande.

A história é a seguinte: os antigos Patapons prevêem a chegada de um mestre, ou melhor, salvador, no caso você, por conta da previsão de um poderoso pergaminho. Sua missão é salvar a tribo dos perigos que envolvem os territórios ocupados pelo pequenino povo. No entanto, os Patapons são curiosos e decidem quebrar o selo proibido de um baú, assim libertando sete demônios.

Esse sete demônios transformam os patapons em pedra, com a excessão de um, o Hatapon, que com sua fé inabalada, espera um herói que o ajude a recuperar seu povo. Logo ele procura o Hoshipon Prateado, que invoca o todo-poderoso e acorda três guerreiros. O futuro dos Patapons lhe pertence e aí começa a jornada.

Com todo esse comprometimento não nos resta muito a não ser entrar de corpo e "alma" nas batucadas que vêm a seguir.

Ao contrário do que estávamos acostumados, os gráficos dessa vez estão muito mais apurados e detalhados. Os personagens receberam um tratamento especial e por isso seus detalhes estão mais nítidos. Os filmes em CG, ao iniciarmos o game, impressionam, pois são eles que nos levam a crer que o PSP está bem longe de assinar sua carta de aposentadoria. Os simpáticos personagens receberam uma dose extra de carisma e por isso nosso envolvimento se torna maior a medida que nos aprofundamos na história, ou melhor, nas missões.

O som é a principal parte disso tudo. Como estamos lidando com um jogo de ritmo, a trilha sonora deve ser o ponto forte do game. Nesse caso, não há o que reclamar, muito pelo contrário. Patapon 3 alia as solitárias batidas secas dos tambores à guitarras rasgadas e a um som tribal mais forte. Sim! Guitarras e até batidas extras de percussão são incluídas, para dar uma "encorpada" na instrumentação. Então suas habilidades de ritmo entram em ação.

No início você encontrará um tutorial que ensina sem muita dificuldade a trabalhar com as batidas, pois cada uma delas influencia na atividade de cada Patapon; você recorre a batidas distintas para reações distintas. Mas mesmo que a lição inicial seja colocada a sua disposição, a lista de ações fica descrita na tela de jogo para que você possa consultar entre um ritmo e outro, durante as missões. Mamão com acúçar, porém, essa mamata para por aí.

Nos primeiros dois levels você usa as conquistas para somar pontos, vender objetos e comprar novas armas ou dar upgrade nas que você já tem. Além disso, seu herói também é melhorado a medida que conquistas são desbloqueadas e certos grupos de fases terminados. Infelizmente uma ação é um tanto prejudicial, na hora de agrupar seu mini exército, você não consegue decidir quem vai na frente ou fica atrás, diferente do que acontecia com os outros dois jogos. Também não é possível ampliar seu exército. Essa liberdade de formação era uma aliada durante a estratégia de ataque, mas infelizmente não é mais possível.

Embora Patapon 3 seja um game relativamente curto, o que prolonga o tempo de gameplay são as vezes que se é derrotado. Para destruir certos obstáculos, você precisa de armas que nem sempre terá no primeiro momento. Daí o valioso upgrade que só é dado após os confrontos.

Não há segredo em sua mecânica. Seguir em frente e atacar. Mas alguns obstáculos se tornam irritantes quando o ritmo te trai. Como você precisa obedecer o tempo da batida, um erro de posição ou ação pode fazer o resto da fase ir por água abaixo e o personagem responsável por levar a bandeira do grupo morrer precocemente. A estratégia é de fato necessária.

Os cenários são dedicados a algumas estações do ano, com muito fogo e neve à sua frente. Os mestres das fases estão mais fortes, não sendo derrotados com facilidade. Isso dá dor de cabeça, porém a vontade de superação é tanta que a raiva fica pequena. Patapon 3 causa essa sensação e isso deixa o game ainda mais interessante.

Batalhas multiplayer também são disponibilizadas no menu principal. Além de te dar a chance de explorar mais o universo online do game.

Com uma premissa direta e jogabilidade simplificada, o novo título da Sony não peca em nada e só melhora o que já era bom.

Gráficos: 8,0
Som: 9,0
Jogabilidade: 8,5
Diversão: 9,0

Nota Geral: 9,0