Análise do Jogo: Kingdoms of Amalur Reckoning

Análise do Jogo: Kingdoms of Amalur Reckoning

Por Ultradownloads | 09 de Março de 2012 às 18h53
Plataforma: PC, Xbox 360, PlayStation 3 Desenvolvedor: 38 Studios
Distribuidor: Electronic Arts Gênero: Ação, Aventura, RPG

RPG, ação e aventura, tudo com o selo da EA e produzido por um time com três grandes estrelas. Todd McFarlane, criador de Spawn e desenhista de renome, foi responsável pelo design de personagens; R.A. Salvatore, romancista de fantasia, criador das aventuras do famosos elfo negro de Forgotten Realms (D&D) Drizzt Do’Urden, fez a ambientação e produziu o roteiro; e Ken Rolston, que produziu dois jogos da séries Elder Scrolls (Morrowind e Oblivion), supervisionou o projeto geral.

Com tantas estrelas, Kingdoms of Amalur: Reckoning tem tudo para ser um grande jogo, mas será que ele realmente atende as expectativas dos ávidos fãs de RPG? O game foi concebido, originalmente, para ser um MMO e alguns traços desse gênero ainda se mantêm no produto final e são pontos determinantes para descobrir se Kingdoms é seu tipo de jogo.

O roteiro, relativamente simples, não encanta a principio. Seu personagem retorna com amnésia do mundo dos mortos e, no decorrer do game, vai descobrindo seu passado e, claro, definindo o destino do mundo de jogo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

kingdoms of amalur

Além da linha principal da história, Kingdoms oferece uma centena de sidequests. Infelizmente, a maioria delas não acrescenta muito para o desenrolar da trama e lembram mais tarefas de MMO: mate X daquilo, recolha Y disso, etc. As animações dos personagens também não colaboram, e durante os diálogos alguns NPCs parecem tão mortos quanto seu personagem no início do game.

Mas o jogo compensa o furo no roteiro com o quesito ação. A jogabilidade do game é fluída e dinâmica e é fácil construir seu personagem da maneira que você gosta de jogar. Seja um guerreiro furtivo de duas armas, um turbinado lançador de magias ou alguém que gosta mesmo de ver o pau quebrar com uma marreta gigante. Gigante mesmo. O jogo também tem um sistema de criação de itens bem complexo e equilibrado. Para quem gosta de otimizar o inventário e o desempenho do seu personagem é um prato cheio.

kingdoms of amalur

Apesar do visual, as vezes cartunesco, o jogo tem uma concept art caprichada, inimigos que fogem do convencional e cenários estonteantes. O senhor Todd McFarlane está realmente de parabéns.

Comparado com os outros jogos de RPG do momento, como Elder Scrolls: Skyrim, Dark Souls ou Mass Effect 3, Reckoning deixa um pouco a desejar por pecar em áreas consideradas importantes para quem gosta desse gênero: um enredo original e bem amarrado, possibilidade de grande customização do personagem ou grandes desafios aos players.

kingdoms of amalur

Em contrapartida, Kingdoms of Amaur: Reckoning tem um sistema de combate versátil que chega a lembrar títulos de ação como Batman Arkham City ou, com muita boa vontade, God of War. Ele também tem a pretensão de não se tornar um jogo "especialista" em nada, mas tem um pouco de tudo para agradar qualquer tipo de jogador.

Talvez por tentar abraçar o mundo, KoA não ficou tão interessante quanto deveria. Mas vale a tentativa se você é fã de RPG ou de um dos três nomes citados lá no começo. Caso esse gênero de jogo não seja sua praia, vale mais a pena esperar pelo MMO de Kingdoms of Amalur que, segundo os criadores, ainda está nos planos. Esse tem tudo para dar certo, se o R.A. Salvatore não errar a mão novamente.

Gráficos: 7
Som: 8
Jogabilidade: 8,5
Diversão: 7,5

Nota Geral: 8

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.