Esta bateria feita com grafeno tem 4.800mAh e pode ser recarregada em 15 minutos

Por Redação | 14 de Julho de 2016 às 22h05

Imagine um mundo onde todos os seus gadgets fossem completamente recarregados em cerca de 15 minutos. Isto seria, no mínimo, uma hora a menos do que o tempo que a grande maioria dos carregadores rápidos consegue fazer hoje em dia, além de ser algo que muitos de nós acharia excepcional, não é mesmo? Pois bem, se você achou que isso tudo parece um papo de ficção científica, é bom lhe informar que as baterias de grafeno já são uma realidade, e elas são tudo isso que descrevemos acima.

Bateria de Grafeno

(Foto: Reprodução/DigitalTrends)

Desenvolvida pela companhia chinesa Dongxu Optoelectronics, aquela que pode ser a bateria de grafeno do mercado foi batizada como "G-King". Sua capacidade de armazenamento é de 4.800mAh, algo um tanto superior ao que vemos em praticamente todos os tablets, smartphones, e até mesmo computadores menores como os ultrabooks mais leves.

A bateria é capaz de reaver toda a sua carga em um tempo de 13 a 14 minutos (não, você não leu errado), e a chinesa Dongxu garante que as células de grafeno são resistentes a mais de 3.500 cargas completas. Um valor que com toda a certeza bate o máximo de 500 ciclos que uma bateria de íon-lítio consegue suportar antes de apresentar problemas.

Todas essas maravilhas são possíveis graças ao material utilizado nas células energéticas da bateria, neste caso, o grafeno. O material é uma forma cristalina do carbono (assim como o diamante ou o grafite), e há algum tempo tem despertado a ansiedade de entusiastas por tecnologia, já que pode ser utilizado para a produção de telas flexíveis, semicondutores mais eficientes, leitores biométricos melhores e baterias com maior autonomia como a própria G-King.

Se considerarmos que as baterias de grafeno revolucionariam não só os eletrônicos, mas também os carros totalmente elétricos, podemos por o setor automotivo como mais um dos interessados no potencial do semicondutor.

Bateria de Grafeno

Na imagem é possível ver a representação gráfica de uma folha de grafeno. Tudo isso está em escala atômica (Foto: Reprodução/Extremetech)

As propriedades químicas do grafeno fazem com que ele seja o menor, mais fino, e mais leve material condutor do mundo, já que ele consiste em uma única folha de átomos de carbono em ligação sigma (sp2). Para termos uma ideia, três milhões de camadas de grafeno empilhadas têm menos de 1 milímetro de espessura, isso o faz ser o material mais forte já produzido, também. Além disso, as folhas de grafeno são transparentes, altamente flexíveis, e podem ser submersas em água sem o risco de sofrerem oxidação.

Caso todas essas características tenham despertado a sua curiosidade sobre o material, você pode ler esse artigo que publicamos aqui mesmo no Canaltech, onde há uma série de informações sobre a química e a história do grafeno.

Planos para o mercado?

A mal conhecida e já tão aguardada bateria de grafeno foi apresentada pela Dongxu em Pequim no início de julho, e embora esteja em fase de desenvolvimento, já tem seus primeiros protótipos funcionais em produção. Infelizmente, a companhia não revelou planos de produzir a G-King em larga escala, ou sequer vender a tecnologia para fabricantes de eletrônicos.

Acredita-se que todos os benefícios do grafeno estejam acompanhados de um alto valor de produção, algo que a maioria das empresas com certeza se recusariam a pagar. De qualquer forma, é inegável que a notícia é um belíssimo motivo para ficarmos esperançosos com a tecnologia no futuro.

Fonte: Business Insider

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.