Versão final do Oculus Rift será lançada em poucos meses, diz CEO

Por Redação | 04 de Novembro de 2014 às 16h14
Divulgação

A versão final para consumidor dos óculos de realidade virtual Oculus Rift está quase pronta. É o que afirma o presidente da Oculus VR, Brendan Iribe, ao falar sobre o produto durante o evento Web Summit 2014, em Dublin, Irlanda, nesta terça-feira (4).

De acordo com o The Next Web, Iribe disse que a última versão do headset, o protótipo Crescent Bay, está "em grande parte concluído para um produto de consumo". Contudo, o executivo ainda não confirmou um cronograma para o lançamento. "Estamos todos ansiosos para ver isso (lançamento) acontecer. Estamos muito perto disso. Estamos a meses, alguns meses, e não a anos de distância."

A grande barreira para que os óculos cheguem às prateleiras é desenvolver um dispositivo eficaz. Iribe afirma que teclados, mouses e gamepads não estão à altura do trabalho que ele e sua equipe vêm realizando, muito menos controles por reconhecimento gestual. Por isso, a Oculus adquiriu recentemente a Carbon Design, dos criadores do controle do Xbox 360, com o objetivo de solucionar eos problemas.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

A demora pela chegada da primeira versão comercial do Oculus Rift também estaria atrelada às mudanças internas na companhia. Depois que foi comprada pelo Facebook, em março destea ano, a empresa, que funciona como uma subsidiária independente, teve um aumento de 75 para 200 funcionários, e agora também possui uma divisão de pesquisas e desenvolvimento, que trabalha à parte da fabricação do gadget.

Enquanto isso, a concorrência de produtos de realidade virtual vem aumentando. Perguntado sobre a ameaça de gadgets rivais, Iribe criticou a possível má qualidade da implementação desses novos aparelhos, que pode afetar todo o setor antes mesmo de seu grande "nascimento". "Estamos um pouco preocupados com as grandes empresas lançando produtos que ainda não estão prontos. Desorientação e enjoo são os 'elefantes' na sala. Estamos incentivando as grandes empresas a não lançarem um produto antes que ele esteja pronto", comentou.

Por isso, Iribe prefere não arriscar uma data. Mas faz questão de destacar que a finalização do produto está próxima. "Não queremos isso (os óculos) em quatro ou cinco anos. Estamos ansiosos para que isso aconteça".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.