Testamos o Watch2Pay, relógio que funciona como Bilhete Único em São Paulo

Por Stephanie Hering | 28 de Julho de 2014 às 07h10

No último mês, a rede Ponto Certo anunciou à imprensa a chegada do Watch2Pay, relógio com NFC que funciona como bilhete de passagens no transporte público. O gadget já é vendido em outros países como Inglaterra, Turquia, Rússia e Polônia e, em São Paulo, poderá substituir o chamado Bilhete Único a partir de agosto. Além da capital paulista, outras cidades do Brasil como Recife e Ribeirão Preto devem receber a novidade.

O Canaltech teve a oportunidade de testar o Watch2Pay e, de antemão, já afirmamos que a ideia funciona. Em primeiro lugar, é preciso carregar o relógio com créditos para, depois, aproximar o Watch2Pay nas catracas ou leitores do Bilhete Único. Assim como no cartão de passagens, o mínimo de recarga é de R$ 3, porém, quando for lançado oficialmente em São Paulo em parceria com a SP Trans, o Watch2Pay terá uma cota mensal de acordo com o tipo de passageiro (Estudante, Vale Transporte, Mãe Paulistana, Amigão, Especial ou Normal), já que utiliza a mesma tecnologia dos cartões: um chip de identificação por radiofrequência (RFID).

Watch2Pay utiliza chip de identificação por radiofrequência (Foto: Stephanie Hering/Canaltech)

Watch2Pay - resenha

O único defeito em relação à recarga talvez seja a impossibilidade de colocar créditos em qualquer local. De acordo com a Ponto Certo, a operação só funciona em guichês e máquinas de autoatendimento da rede, localizados em sua maioria nas estações do Metrô ou em pequenos estabelecimentos. No último caso ainda, a recarga é feita encostando o relógio ao lado da máquina.

Ao aproximar o relógio do leitor ou catraca, a passagem é automaticamente debitada e o saldo é exibido na tela (somente nos ônibus). Nos testes feitos pelo Canaltech, apenas em um ônibus a leitura não funcionou na primeira vez e foi preciso tirar o relógio e encostá-lo pelas costas.

Design

Se você esperava encontrar um relógio inteligente ou com design inovador, não se anime. Além da tecnologia NFC, o Watch2Pay exibe somente as horas de modo analógico e com o dia no meio da caixa. De modo geral, o visual é bem simples e lembra um relógio normal, o que pode até mesmo despistar eventuais furtos.

A caixa possui acabamento em aço e plástico, enquanto o vidro é de acrílico. A pulseira utiliza silicone e os ponteiros e marcas dos números brilham no escuro, o que facilita a leitura das horas à noite. Outro ponto negativo do Watch2Pay é que ele possui medidas grandes (4,5cm de diâmetro na caixa e 2,cm de largura na pulseira), o que pode não agradar o público feminino.

Watch2Pay: visual simples (Foto: Stephanie Hering/Canaltech)

Watch2Pay - resenha

Em relação ao conforto, o Watch2Pay se enquadra em nível razoável, já que não é muito anatômico, contudo, em nossos testes, ficou por horas no pulso sem causar grandes problemas.

Informações técnicas

  • Caixa: acabamento em aço e plástico; 4,5cm de diâmetro, 1,5cm de espessura, 5,3cm de altura
  • Pulseira: silicone; 2,cm de largura, 3mm de espessura e 24,5cm de comprimento (com fivela inclusa)
  • Fivela: aço
  • Vidro: acrílico com relevo no dia
  • Máquina: Seiko Epson VX82E
  • Bateria: SR621SW com autonomia de dois anos

Segurança

Apesar de parecer simples, o relógio não é lá dos mais baratos. O preço sugerido inicial do Watch2Pay é de R$ 200, o que o transforma em um investimento considerável, levando em conta que bilhetes de passagens como o Bilhete Único geralmente custam bem menos para serem emitidos.

Para aqueles que se preocupam com a segurança dos créditos, a rede Ponto Certo afirma que eles são protegidos do mesmo modo que nos cartões de passagens comuns. Assim, caso o Watch2Pay seja roubado ou furtado, o usuário terá um cartão a parte do relógio, com o número do chip interno, permitindo que ele seja cancelado e os créditos repassados para outro cartão ou relógio.

Veredicto

O Watch2Pay pode ser um grande facilitador para aqueles que têm o costume de esquecer do bilhete de passagens ou ainda, querem juntar o "útil ao agradável". No entanto, a ideia é mais atrativa para pagamentos em débito pela comodidade do que no transporte público pela discrição. Vale lembrar, porém, que em tempos de Google Wallet e celulares com NFC, é difícil prever se a novidade terá adesão por aqui.

Como já dito anteriormente, o preço pouco convidativo também é um empecilho, tendo em vista que muitos smartphones intermediários atualmente já vêm com NFC embutido. Contudo, enquanto grandes operadoras de crédito e bancos não incluem em seus serviços pagamentos por celular, talvez o Watch2Pay possa substituir essa carência.

Relógio pode ser bom investimento para quem tem o costume de esquecer o cartão (Foto: Stephanie Hering/Canaltech)

Watch2Pay - resenha

Sendo assim, se você faz muita questão de trocar o Bilhete Único ou semelhante por uma solução mais prática e não se importa com o valor, o relógio vale o investimento. Caso não, espere mais um pouco pela implentação de apps ou serviços de pagamento com NFC no Brasil.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.