Tecnologia permite reconhecer autores a partir das próprias filmagens

Por Redação | 24.12.2014 às 13:21 - atualizado em 05.01.2015 às 09:32

Já é possível identificar autores de filmagens apenas analisando as imagens realizadas em seus dispositivos. Pesquisadores afirmam ter uma tecnologia capaz de fazer esse reconhecimento de maneira muito precisa e veloz, em cerca de quatro segundos. Essa conclusão vem do estudo "Egocentric Video Biometrics", realizado pela Cornell University Library, nos Estados Unidos.

"Isso é como uma impressão digital", diz Samuel Peleg, um dos autores do estudo, ao Ars Technica. "Para identificar alguém por meio da impressão digital, é preciso que você já a tenha com você. Mas nós podemos comparar duas pessoas e dizer se os dois vídeos foram feitos pela mesma pessoa ou não", garante o pesquisador.

Os autores do estudo afirmam ter um software que procura por características biométricas como altura, comprimento da passada e velocidade da caminhada para identificar a pessoa que está realizando a filmagem.

Os autores disseram que, para chegar a esse resultado, é necessário que a pessoa esteja "vestindo" uma câmera presa ao corpo, e num determinado ponto. Câmeras portáteis, por exemplo, não funcionam. Além disso, os vídeos precisam ter, no mínimo, quatro segundos de duração. Apesar dessas restrições, os pesquisadores da Universidade Hebraica de Jerusalém observaram que, uma vez coletadas, "as imagens podem determinar a identidade do usuário em poucos segundos e de maneira confiável".

Para conseguir essa forma de reconhecimento, com alto nível de precisão, os pesquisadores desenvolveram um algoritmo utilizando um método chamado de Convolutional Neural Networks (CNN ou "Redes Neurais Convolucionais"). É um sistema profundo de aprendizado, que analisa as camadas de uma imagem a partir de pequenos pedaços, deslocando essa avaliação até as seções maiores.

Dessa forma, eles encontraram um "fluxo óptico" no vídeo e compararam com outras fontes de filmagens feitas em câmeras vestíveis. Apesar de ser inédito em filmagens feitas com dispositivos presos ao corpo, o método não é exatamente uma novidade, já que o Yahoo vem utilizando algo parecido com o CNN para analisar imagens do Flickr a partir do clima retratado nas fotos.

Os pesquisadores observaram que o movimento saltitante e instável de uma câmera corporal é o que realmente faz a diferença para a identificação precisa. O que na verdade dificulta o reconhecimento é a estabilização da imagem, que atualmente não chega a prejudicar muito, mas pode comprometer esse método com o uso de uma tecnologia de estabilização mais poderosa, como a 3D. "Vários esquemas de estabilização 3D são mais complexos e podem, possivelmente, remover mais informação biométrica. Esse é um estudo que será feito posteriormente".

Essa novidade trará, claro, algumas implicações negativas e positivas, nos âmbitos civil, policial, militar e pessoal. Afinal de contas, as filmagens feitas com uma GoPro, por exemplo, poderão ter seus autores identificados facilmente.

"Imagens de atividade policial e operações de comando gravadas por câmeras nas cabeças do soldados são amplamente publicadas no YouTube. Alguns usuários até mesmo gravam e publicam o que parecem ser seus próprios crimes. Uma das consequências de nosso trabalho é que a privacidade desses videos será comprometida em muitos casos", refletem os autores.

Apesar de ainda ser visto com certa desconfiança por alguns especialistas, o reconhecimento de pessoas a partir de suas próprias gravações parece estar próximo, com direito a teor polêmico.

Fonte: http://arstechnica.com/tech-policy/2014/12/4-seconds-of-body-cam-video-can-reveal-a-biometric-fingerprint-study-says/