Pesquisa: dispositivos vestíveis invadirão o mercado corporativo

Por Redação | 14 de Novembro de 2014 às 12h20

Enquanto as empresas e corporações de todo o mundo só começam a entender o BYOD como uma presença constante e começam a integrar esse conceito em suas polícias de TI agora, uma nova tendência já começa a bater na porta. De acordo com um estudo da ISACA (Information Systems Audit and Control Association), as tecnologias vestíveis devem se tornar cada vez mais parte desse tipo de movimento à medida que dispositivos desse tipo são lançados para negócios bem específicos.

De acordo com os dados da organização, que trabalha junto a profissionais de TI e segurança da informação, 55% das empresas de tecnologia na Ásia devem implementar as tecnologias vestíveis no local de trabalho até o final de 2015. A ideia, aqui, é permitir que tais aparelhos sejam usados pelos executivos e funcionários como parte integrante de suas ferramentas para o expediente, junto com smartphones, notebooks e tablets.

Além disso, algumas delas pretendem criar seus próprios wearables voltados para necessidades específicas, ou, pelo menos, personalizar soluções existentes para que elas atendam tais quesitos. A integração com a Internet das Coisas também deve ser um fator fundamental, sendo os dispositivos vestíveis usados como uma espécie de controle remoto de sensores e outros equipamentos, por exemplo.

As barreiras entre os equipamentos usados no trabalho e fora dele também devem diminuir e esse é um movimento que já começa a ser enxergado fora da Ásia, onde tradicionalmente as pessoas têm uma tendência maior a adotar inovações logo que elas são lançadas. Na Austrália e na Nova Zelândia, por exemplo, 45% dos entrevistados já dirigem carros inteligentes, 42% possuem smart TVS e 64% estão de olho em algum wearable para comprá-lo.

Sendo assim, é natural que essas características extrapolem a esfera pessoal e cheguem também no mercado de trabalho. Como explica o CIO, ninguém vai tirar o relógio ou deixar de usá-lo durante o expediente.

Como sempre, porém, existe o lado negativo. Essa nova onda vai trazer ainda mais complexidade e toda uma categoria de diferentes dispositivos para dentro das políticas de TI das empresas, que, na maioria dos casos, ainda estão lutando para lidar com os smartphones e tablets. A segurança das informações também surge como preocupação para 27% das empresas entrevistadas pela ISACA, enquanto o aumento nas vulnerabilidades é preocupação para 47% delas.

O temor, aqui, é que a entrada de tais dispositivos nos sistemas da companhia possa trazer consigo brechas de segurança. A ideia dos aparelhos pequenos, com funções simples e servindo apenas como assistentes, pode acabar sendo vista por muita gente como um risco de segurança menor, mas a organização aponta que falhas podem ser tão danosas quanto uma abertura em um sistema operacional para PCs ou smartphones, por exemplo.

Por isso mesmo, a ideia é implementar rapidamente medidas de segurança que previnam tais problemas. Saber quais estão sendo os dados acessados pelos wearables – 26% dos entrevistados disseram não ter a menor ideia sobre isso – e de que maneira os hackers estão se aproveitando deles é um passo fundamental para uma política de TI que abrace relógios inteligentes e outros gadgets sem problemas, na mesma medida em que protege a companhia e as informações confidenciais dela.

Mesmo com toda essa complexidade, o cenário é animador. O estudo termina com um dado positivo, que diz que 48% dos executivos entrevistados acreditam que os benefícios trazidos por tais equipamentos para o mercado corporativo são suficientes para que os riscos valham a pena. Além disso, 40% acreditam que os wearables e a Internet das Coisas vão melhorar o processo de tomada de decisão por meio de uma quantidade maior de informações, enquanto outros 34% acreditam que esses aparelhos trarão melhorias, mas não conseguem precisar exatamente como isso vai acontecer.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.