Empresa registra aumento de 252% na procura de seguros para celulares

Por Redação | 27.09.2013 às 09:10

Com o alto custo de smartphones topo de linha no Brasil, a procura por seguros vem aumentando nos últimos tempos. Uma seguradora chegou a registrar o crescimento de 252% em relação ao ano passado nesse setor. O Grupo BB e Mafre comercializou 14 mil apólices somente nos seis primeiros meses de 2013, contra as 4 mil vendidas entre janeiro e junho e 2012.

Por um ano, o seguro da empresa custa cerca de 15% do valor do aparelho e a corbertura do valor é de 75% em caso de quebra ou roubo. Por exemplo, se você tem um iPhone 5 de 64 GB, que custou R$ 3 mil, você deverá pagar R$ 450 pela apólice e receberá R$ 2.250, caso acione o seguro.

De acordo com um estudo da companhia de segurança digital F-Secure, 25% dos brasileiros já tiveram celulares perdidos ou roubados, número acima da média global, que é de 11%. Apenas entre abril e junho, uma pesquisa da consultoria de tecnologia IDC informou que 15 milhões de celulares foram vendidos no Brasil – uma das razões para o crescimento da procura por seguros.

Outras empresas, como a Porto Seguro, oferecem um contrato semelhante, mas oferecem cobertura similar ao valor do dispositivo – execeto se ele for deixado em um veículo.

Seguro contra defeitos

Se você é desastrado e busca por um seguro mais barato somente para consertos de smartphones, existe o Pitzi. Por R$ 25 ao mês, a empresa oferece manutenção para iPhones 4S e 5 em caso de sinistro, como uma tela quebrada, sem custo adicional. A empresa dá um prazo de 5 dias úteis para devolver o celular, caso contrário um aparelho temporário será enviado ao cliente.

NY e iOS 7 contra o crime

A criminalidade aumentou pela primeira vez em 2012, após vinte anos em Nova York, e a prefeitura culpa os roubos de iPhone por isso. Nesta semana, a polícia local distribuiu folhetos com um comunicado pedindo que os donos de aparelhos da Apple fizessem a atualização para o iOS 7. Com o novo sistema móvel, é preciso informar a senha Apple ID para zerar o aparelho, garantindo mais segurança para a população, já que sem a informação o smartphone fica inutilizado.