Análise: Kindle Paperwhite recebe update discreto, mas facilita vida de leitores

Duas semanas antes do Natal, a Amazon anunciou a chegada da sexta geração do seu e-reader no mercado brasileiro, o Kindle Paperwhite. Se você não acompanha os lançamentos da empresa de perto, é possível até ficar um pouco confuso com qual é a novidade de que estamos falando aqui. Mas a gente explica: o novo gadget é a segunda geração do Paperwhite, o e-reader lançado originalmente em 2012 pela Amazon, que agora recebe alguns upgrades de hardware e funções. Mas será que a mudança é consistente o suficiente?

A primeira impressão ao se pegar o novo Paperwhite na mão é de estar segurando exatamente o mesmo produto da última geração. E a impressão não é errada: com exceção do logo da Amazon na parte de trás, que agora substitui o antigo logo do Kindle no Paperwhite anterior, nada mudou no design do produto. O Kindle mantém os mesmos 213 gramas e dimensões do original, com a tela de seis polegadas. Entrada USB, carregador, botão de ligar e desligar na parte de baixo: tudo igual. Mas é só olhar para o display de e-ink do produto que as primeiras diferenças começam a ser notadas.

O novo Kindle recebeu um upgrade em sua tecnologia de contraste e agora traz pretos e brancos mais bem definidos e um brilho mais intenso para o usuário. Na prática a mudança é muito sutil, e só colocando os Paperwhite novo e antigo lado a lado é possível notar que a nova geração brilha um pouco mais e tem um display levemente mais amarelado do que a anterior. Mas honestamente, a mudança nem de longe revoluciona a sua vida ou o produto, já que a tela do Kindle sempre foi confortável mesmo para quem sempre foi acostumado a ler livros impressos.

O display também está levemente mais áspero que o Paperwhite anterior e agora é mais preciso, sensível e exige menos pressão na ponta dos dedos para responder ao toque. Essa função é a que tira mais proveito da principal mudança interna do gadget, que é o processador 25% mais rápido do que no Paperwhite de 2012 – se você quiser números, a frequência aumentou de 800 MHz para 1 GHz. Mas de novo: se o número parece alto, no uso cotidiano a diferença passa quase despercebida.

Lado a lado com a quinta geração, o novo Kindle é claramente mais rápido para realizar tarefas como abrir um livro novo, entrar e sair da loja da Amazon e principalmente durante a navegação na internet no browser experimental do Kindle – que apesar de continuar rudimentar, melhorou bastante em relação ao anterior. Mas ainda assim nada que revolucione o produto. A duração da bateria também continua a mesma, mas isso não chega a ser um problema, já que um gadget ligado oito semanas a fio dificilmente irá incomodar o usuário.

Na nossa avaliação, as mudanças mais legais estão no software do novo Kindle, que agora traz algumas funções que podem ajudar bastante o leitor. A principal delas é o novo Page Flip, que permite que você consulte anotações e notas de rodapé de um livro sem que você deixe a página que você estava. Até a quinta geração do Kindle, era necessário ir até o fim do livro para checar essas informações, como em um livro comum. Além do dicionário que já existia no produto, o novo Paperwhite também possui uma opção de pesquisa inteligente para consultar palavras e termos na Wikipedia.

O Kindle agora também integra um Construtor de Vocabulário que armazena todas as palavras que você pesquisou durante a leitura em uma única lista de acesso fácil. Até agora a Amazon não se pronunciou sobre se essas atualizações vão chegar aos outros e-readers da empresa, e é provavel que elas continuem apenas no Kindle de sexta geração.

Ao estilo do que grandes empresas de tecnologia fazem atualmente com alguns produtos, como a Apple e seus iPads, a segunda geração do Paperwhite é muito mais uma evolução do que uma mudança em um dos principais e-readers do mercado. Os upgrades de hardware e software são modestos, mas ajudam a deixar um dispositivo com uma função bem específica mais redondinho para o cotidiano dos leitores.

Nem de longe recomendaríamos o upgrade para você que já tem um Kindle Paperwhite de 2012. Mas não há dúvidas que, por R$ 479, quem quer começar a se aventurar pelos livros digitais tenha no novo Kindle Paperwhite uma ótima opção de reader. Vale lembrar aqui que a livraria da Amazon é a mais ampla da indústria e contém mais de 2 milhões de títulos, com mais de 26 mil deles em português.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.