Review Xbox Wireless Headset | Um headset à frente do seu tempo

Review Xbox Wireless Headset | Um headset à frente do seu tempo

Por Rudy Caro | Editado por Wallace Moté | 15 de Junho de 2021 às 09h00
Ivo/Canaltech

O mercado de headsets é bastante previsível, e as empresas consolidadas nesse nicho já possuem uma base de fãs muito sólida, em sua maioria vinda dos gamers de PC.

Os jogadores fiéis aos queridos consoles não recebem tanta atenção e dedicação por parte de algumas empresas, mas periféricos dedicados aos videogames estão lentamente se tornando mais relevantes.

Que tal um headset que não precisa de adaptadores, cabos ou dongles USB para funcionar, e que promete latência próxima de zero, suporte a Dolby/DTS e recursos avançados para acompanhar o seu Xbox One ou Séries S/X?

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O Xbox Wireless Headset passou um bom tempo comigo, e vamos te contar os pontos positivos e negativos desta bela peça de tecnologia.

(Imagem: Ivo/Canaltech)

Prós:

  • Ergonômico, leve e confortável
  • Suporte a codecs como Dolby Atmos e DTS X
  • Conexão totalmente sem fios e com baixíssima latência
  • App com equalizador para PC, Xbox One e Séries S/X

Contras:

  • Graves e agudos exagerados na equalização de fábrica
  • Ausência de controles para reprodução de mídia
  • Baixa redução de ruídos no microfone
  • Preço elevado em comparação aos concorrentes

Design e construção

O Xbox Wireless Headset é bem sóbrio e elegante, com o corpo do headset e as cups feitas em policarbonato fosco, com aros na cor verde bem característica dos Xbox, e arco em alumínio. Isso confere ao headset uma construção muito premium e robusta, além de maleabilidade e resistência para aguentar longas jornadas de Forza Horizon 4, por exemplo.

Não há RGB neste headset, então nada de 200 fps a mais nos seus jogos ou luzes espalhafatosas cintilando no seu setup, o que é até estranho nos dias atuais, onde até as cadeiras gamers foram atigindas pelo raio iluminador de LED. O único detalhe luminoso que se destaca é o LED branco que indica se o microfone está ligado ou desligado, e um discreto led na lateral para indicar a conexão ou o pareamento com novos dispositivos.

A alça do produto possui uma almofada com o clássico couro sintético presente na maioria dos headsets, e que por um milagre não exerce quase nenhuma pressão para baixo, deixando a cabeça livre daquele incômodo após horas a fio de uso.

As earcups também são um show à parte, com um encaixe circo-auricular, que cobre totalmente a sua orelha e te dá aquele abraço confortável nos ouvidos, proporcionando ao usuário muita leveza e excelente isolamento acústico passivo, bloqueando boa parte dos sons externos e aumentando ainda mais a imersão.

(Imagem: Ivo/Canaltech)

As alças de ajuste são muito firmes, deslizam fácil para cima e para baixo, possuem uma extensão acima da média dos headsets tradicionais, cabendo em quase qualquer cabeça "humana", e com um sistema muito intrigante de trava por atrito que segura o headset na posição exata na qual você o ajustou, sem afrouxar ao longo do tempo ou aumentar a pressão na cabeça, algo que eu nunca tinha visto em outros headsets antes.

Além de muito confortáveis, as earcups guardam dois controles circulares que ao serem girados, podendo controlar o volume geral do áudio ouvido pelo usuário (lado direito) e controlar o balanço de áudio entre o chat de voz e o jogo (lado esquerdo), recurso muito útil se você se comunica muito com o seu time em jogos online e precisa equilibrar momentos de comunicação em primeiro plano ou sons do jogo mais intensificados.

Headsets bem mais caros do que esse oferecem interfaces de áudio dedicadas para esta função, como no Astro A40 TR por exemplo, e ver esse recurso em um produto dedicado aos consoles me deixa até mais otimista.

(Imagem: Ivo/Canaltech)

Além dos controles giratórios super legais, o headset ainda conta com dois botões físicos para ligar/desligar o headset, e o botão para mutar o microfone.

(Imagem: Ivo/Canaltech)

Por fim, o microfone embutido presente no Xbox Wireless Headset possui excelente qualidade de audio em chamadas de voz, mas faz escolhas um pouco controversas, sendo curto demais para alcançar a sua boca enquanto fala e não permitindo que o usuário guarde ele dentro do corpo do headset ou o remova por completo. A única opção dada pela Microsoft aqui é dobrar o microfone para cima e encostar ele no corpo do fone, já que ele é feito de um plástico maleável bem flexível e aparentemente resistente, mas não dá pra saber quanto tempo ele resistirá a tantas dobradas ao longo dos anos.

Desempenho em jogos

O Xbox Wireless Headset é todo pensado em jogos, e fica claro que ouvir músicas e usá-lo como um fone de ouvido normal é possível, mas não é onde o headset brilha de verdade.

O fone se conecta aos consoles Xbox por meio da tecnologia proprietária de conexão sem fio da Microsoft, a mesma utilizada nos controles e outros acessórios, o que garante uma conexão totalmente estável, segura, rápida e com latência mínima, como a própria Microsoft promete, e que conseguimos comprovar em nossos testes. Não existem atrasos perceptíveis ao nosso cérebro ou falhas na conexão entre o headset e o console, tornando a experiência com o produto muito fluida e prazerosa.

A conexão com PCs e outros dispositivos como smartphones com Android é feita via Bluetooth 4.2, que não é a versão mais recente da famosa tecnologia sem fio que tanto usamos em nossas vidas, mas que manda muito bem no Windows 10 como um todo, sem latência aparente em jogos ou em chats de voz. Mesmo jogando League of Legends: Wild Rift eu pude ter uma experiência sensacional de imersão no jogo, com as graças de uma comunicação clara e sem latência com o meu time de corajosos desconhecidos em busca da vitória.

(Imagem: Ivo/Canaltech)

Nos testes que fiz, eu joguei longas horas de Forza Horizon 4, Call of Duty Warzone, League of Legends e Halo 5 no meu bom e velho Xbox One S, e o desempenho do Xbox Wireless Headset é impressionante, com graves muito intensos e até meio exagerados para o meu gosto pessoal.

O volume é muito alto, sem distorcer frequências e passando sensação muito ampla do áudio espacial do fone, sendo muito útil para ouvir os passos dos inimigos e janelas sendo quebradas em partidas de Call of Duty Warzone, onde inimigos aparecem em várias direções e formas, me permitindo ouvir com clareza a diferença entre passos de um inimigo no segundo andar de uma casa e um jipe vindo ao longe em minha direção.

Jogos de corrida como o Forza Horizon 4 são muito beneficiados pelos graves reforçados do headset, que intensificam o som dos motores e torna as trilhas sonoras e os efeitos do jogo muito mais presentes e com aquela sensação de audio bem próximo a você, o que me impressionou bastante.

No PC eu joguei League of Legends usando o Discord para implorar aos meus amigos que me ajudassem a fazer os objetivos na Jungle, e o recurso de equilibrar o áudio do jogo com o chat me permitiu ouvir claramente o time, reduzindo o volume do jogo a quase zero, e voltar ao volume original com um suave giro no headset.

Se você joga no PC, existe compatibilidade completa de recursos graças ao app de acessórios do Xbox presente na Microsoft Store, que permite o controle total dos padrões de equalização do headset, o que ajuda muito na hora de aliviar os graves excessivos do produto.

Temos ainda controles dedicados para regular a intensidade da iluminação emitida pelo botão de mute e do LED do microfone, controle de retorno de monitoramento de ganho do microfone e opção para ativar a função de auto mute, que permite que o headset corte o áudio do microfone quando detectar períodos onde você está em silêncio, usando inteligência artificial para detectar a sua voz.

Além do design duvidoso do microfone, o único ponto negativo pra mim é o cancelamento de ruído, que não é muito eficaz na hora de isolar a sua voz dos sons externos ao seu redor, como a minha namorada conversando com os meus gatos ou o ventilador ligado, o que certamente pode ser aprimorado pela Microsoft com futuros updates no firmware do headset.

Esse update por sinal só pode ser feito se estiver conectado via Xbox Wireless Technology em um console Xbox, ou conectado via cabo USB-C caso você esteja em um PC. Essa limitação até faz sentido se pensarmos que o Bluetooth não é tão estável e rápido na transferência de grandes pacotes de arquivos, mas é algo contraditório se pensarmos na proposta totalmente sem fios ou dongles do produto.

Qualidade de áudio

O Xbox Wireless Headset é equipado com dois codecs avançados para melhorar ainda mais a sua experiência ao consumir suas músicas, filmes e séries, contando com as tecnologias Dolby Atmos e DTS X.

A qualidade do áudio é excelente, mas existem pontos negativos a serem considerados na hora de escolher este headset para compor o seu setup, já que como eu havia dito anteriormente, a Microsoft focou totalmente na experiência em jogos e não se preocupou muito em entregar um headset equilibrado e pensando também em música. Temos graves exageradamente fortes e que acabam dominando a presença em outras faixas de frequência, e agudos que por vezes são estridentes demais, tornando o Spotify uma garantia de dor de cabeça a longo prazo.

Isso acontece por causa da equalização nativa dos fones, que segue no clássico padrão "V Shape", com subs e graves altos demais, médios reduzidos ao máximo e agudos exagerados, para realçar os sons mais comuns em gêneros populares de jogos como Moba, FPS e Aventura por exemplo, dando ênfase às explosões, tiros e bombas, e deixando os jogos com aquele áudio cristalino que realça as vozes dos personagens.

Para ouvir música com mais normalidade, é só usar o app oficial da Microsoft para acessórios do Xbox, que pode ser baixado gratuitamente na loja do Windows, e que é recurso nativo dos Xbox, permitindo ao usuário o controle total sobre as frequências emitidas pelo fone. Minha dica de ouro se resume a tirar o excesso absurdo de graves e agudos, para aproveitar as suas músicas sem nada estourando ou incomodando no ouvido.

App para controlar os recursos do Xbox Wireless Headset, disponível gratuitamente para PC (Imagem: Rudy Caro/Canaltech)

Para filmes e séries, o headset é outro show à parte, e a tecnologia Dolby Atmos ajuda demais na sensação de imersão completa ao usar o produto, já que os filmes são mixados com o padrão de áudio idêntico aos dos jogos mais recentes, o que torna o Xbox Wireless Headset uma baita opção para quem quer jogar e consumir conteúdo como filmes e séries.

Para completar o leque de possibilidades, o Xbox Wireless Headset conta a tecnologia Windows Sonic, um recurso de som espacial no Windows 10 que eleva ainda mais a experiência com jogos ou filmes, e que funciona de forma absurda no produto, já que diferentemente de sistemas 5.1 ou 7.1, onde os sons se limitam a canais e posicionamentos físicos, o Windows Sonic mapeia todos os sons em uma espécie de imagem 3D, tornando o conteúdo consumido com os fones muito mais realista e imersivo.

Bateria

O Xbox Wireless Headset é a prova de que quando uma empresa quer melhorar o que já é bom, ela vai lá e consegue. Eu usei o produto por mais de 19 horas contínuas, alternando entre jogos intensos no Xbox One S e PC, partidas de Wild Rift no meu smartphone, musica no Tidal e assistindo uma temporada inteira de Jupiter's Legacy no Netflix, e não consegui sequer ouvir o aviso de bateria fraca.

O Headset é carregado via USB-C, e leva cerca de três horas para ter a sua carga completa, oferecendo ao usuário mais de 10 horas de reprodução total, o que é impressionante se pensarmos na quantidade generosa de recursos legais e áudio poderoso que o headset entrega sem usar nenhuma fonte de alimentação externa.

Se você for um gamer mais casual, provavelmente passará a semana toda com apenas uma carga do Xbox Wireless Headset sem nenhuma dificuldade, e espero que a Microsoft aplique essa ideia nos próximos controles dos Xbox Series S/X, para que as pilhas e os dongles possam curtir a sua merecida aposentadoria juntos.

Ficha técnica

  • Alto falates de 40mm
  • Impedãncia de 32 Ohm
  • Resposta de frequencia de 20 Hz a 20 kHz
  • Bluetooth 4.2 (A2DP, HFP, HSP)
  • Peso: 312 gramas

Concorrentes diretos

O Xbox Wireless Headset é um headset proprietário para PCs e consoles Xbox, e é natural que ele tenha o Playstation Pulse 3D como concorrente principal, já que ambos são headsets de última geração e nasceram com o objetivo de serem o companheiro perfeito do seu console.

Conclusão

O Xbox Wireless Headset é um produto muito corajoso e ousado em sua proposta, tentando levar o mundo dos headsets para longe dos dongles USB e cabos que só atrapalham as nossas vidas, oferecendo ao consumidor muitos recursos premium de áudio, bateria de longa duração, latência praticamente zero em jogos e chamadas de voz e integração total com o seu console Xbox, sendo também uma excelente opção para quem precisa de um headset para jogar no PC e não aguenta mais ter cabos e mais cabos em cima da mesa.

Com o preço sugerido atualmente, fica difícil indicar o produto para alguém que joga exclusivamente no PC ou que possui consoles da Sony ou Nintendo por exemplo, já que existem excelentes opções no mercado que podem ser usadas como um headset único para todo o ecossistema do seu setup, sem limitar funções a um ou outro produto.

(Imagem: Ivo/Canaltech)

O Xbox Wireless Headset é vendido pelo preço sugerido de R$1.099, e no momento da publicação deste review, não há estoque em lojas de varejo ou mesmo no site oficial do Xbox Brasil. Atualizaremos este review assim que o produto estiver disponível.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.