Primeiro ministro japonês vira Super Mario e “sai pelo cano” na Olimpíada

Por Redação | 22.08.2016 às 06:15 - atualizado em 22.08.2016 às 09:43
photo_camera AP

Além dos inúmeros e hilários memes que encheram as redes sociais na noite de domingo (21) por conta da cerimônia de encerramento da Olimpíada de 2016, realizada no Rio de Janeiro, talvez a cena mais memorável da celebração tenha sido a performance de Shinzo Abe, Primeiro Ministro do Japão, que encarnou o Super Mario e chegou à capital carioca usando um meio de transporte que é velho conhecido dos fãs de videogames: um cano.

Enquanto no game icônico da Nintendo o encanador bigodudo usa as tubulações para chegar à próxima fase, entrar em locais inalcançáveis ou ainda ter acesso a fases especiais, o primeiro ministro japonês encenou uma representação bastante divertida em que, parado no trânsito, confere as horas e vê que não chegará a tempo para a cerimônia. Então ele se transforma no Mario, entra pelo cano que corta o planeta, saindo na capital fluminense no exato momento em que acaba a transmissão do vídeo de aquecimento para os Jogos de 2020 - que serão realizados em Tóquio.

Confira o vídeo que foi postado no Twitter:

O sucesso foi tanto que as buscas pelo game na web dispararam. As procuras por termos como "jogar super mario" e "super mario bros download pc" tiveram alta de até 100% na manhã desta segunda-feira (22), enquanto termos relacionados ao Nintendo Wii aumentaram 250%, segundo o Google Trends. As buscas relacionadas aos games para Wii e para emuladores e versões para PC também cresceram.

Outros ícones da cultura pop do Japão também representaram a cultura do país no vídeo promocional exibido no evento, como o personagem Tsubasa, do desenho Super Campeões, que aqui no Brasil foi transmitido pela TV Manchete em 1990, além de Pac-Man e dos felinos Doraemon e Hello Kitty. Apesar de estarmos tristes com o fim dos Jogos Olímpicos no Brasil, depois dessa “palhinha” do que será a Olimpíada no Japão a contagem regressiva para 2020 já começou!

Via: The Verge e

G1