Instituto de saúde dos EUA vai usar atletas olímpicos para testar vírus da Zika

Por Redação | 05.07.2016 às 21:22

O National Institute of Health (NIH) pretende aprofundar o conhecimento acerca do Zika vírus nas pessoas, e nada melhor do que o organismo humano para isso. A instituição divulgou, nesta terça-feira (5), que vai estudar o comportamento do micro-organismo em atletas, treinadores e membros do Comitê Olímpico durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, que iniciam em agosto.

Segundo o instituto, o foco é compreender como o vírus persiste no corpo, além de identificar potenciais fatores que influenciam a infecção. A pesquisa será liderada pela doutora Carrie L. Byington, da Universidade de Utah e será financiada por Eunice Kennedy Shriver, do setor de Saúde Infantil do NIH. A pesquisadora espera conseguir testar o vírus 1.000 atletas, que fornecerão fluidos corporais como amostras.

"A parceria com o Comitê Olímpico dos EUA tem o propósito de aprofundar o conhecimento da dinâmica da infecção por Zika para que possamos proteger a saúde dos atletas e da equipe que vai participar dos jogos de 2016", afirma Byington. "A relação contínua entre as partes também abre caminho para pesquisas em longo prazo que vão beneficiar não apenas as Américas, mas também outras regiões com incidência do vírus", complementa.

Além do comportamento do vírus no organismo, o estudo pretende compreender o mosquito, desde seu nascimento a proliferação, risco de infecção e ciclo de reprodução. A pesquisadora pretende conduzir estudos em mil pessoas e acredita que a presença de 500 mil turistas vai contribuir para os resultados.

Em fevereiro, a Organização Mundial da Saúde declarou o Zika como emergência pública e desde então as pesquisas na área se intensificaram a fim desenvolver uma vacina para a doença. Especialistas de saúde de Harvard chegaram a divulgar uma nota sugerindo que o evento fosse cancelado, mas o Comitê optou por manter a agenda.

Fonte The Verge