Delegação norte-coreana confisca Galaxy S7 Edge dados a seus atletas

Por Redação | 14 de Agosto de 2016 às 18h00

Há pouco mais de um mês reportamos, aqui no Canaltech, a notícia de que a Samsung finalmente havia lançado a edição especial do Galaxy S7 Edge para os Jogos Olímpicos de 2016, e durante o evento, a fabricante anunciou que o aparelho teria 11.200 unidades a serem distribuídas a cada um dos atletas que vieram para os jogos. Embora a notícia seja ótima para alguns, os atletas norte-coreanos não parecem estar desfrutando deste presentinho, já que a delegação do país os proibiu de receber quaisquer agrados durante os jogos.

Embora os esportistas norte-coreanos tenham recebido o gadget em mãos, relatórios que partem da Radio Free Asia afirmam que o comitê dos Jogos Olímpicos acusou vários gerentes da delegação norte-coreana de confiscar os 31 smartphones dados aos atletas. Segundo o The Next Web, as unidades especiais do S7 Edge foram distribuídas a cada um dos atletas durante a cerimônia de abertura dos Jogos, mas qualquer atleta que não recebeu o aparelho pode ir a um escritório da Samsung e pedir um exemplar do modelo.

Galaxy S7 Edge Olimpíadas

Com apenas 2.016 unidades a serem vendidas, o Galaxy S7 Edge Olympics Edition custa R$ 4.499 no Brasil (Foto: Divulgação/Samsung)

Como se confiscar os aparelhos não fosse suficiente, o mesmo portal asiático afirma que a delegação do país não devolveu nenhuma das unidades, tampouco deu uma explicação do que será feito com os dispositivos. Tradicionalmente, o gerente de maior posição hierárquica numa delegação é o responsável por ir aos escritórios das patrocinadoras e coletar tudo o que elas dão aos atletas. No caso da Coréia do Norte, Yoon Sungbum seria o responsável por esta tarefa. Segundo a Samsung, o gerente foi ao escritório da empresa e recebeu todos os aparelhos, mas eles acabaram não sendo repassados aos atletas na cerimônia de abertura.

Não é de hoje que a Coréia do Norte é motivo de notícia por controlar agressivamente os seus cidadãos, estejam eles dentro ou fora do território norte-coreano: quando questionada sobre os presentes que recebeu dos patrocinadores dos Jogos, a atleta norte-coreana Kim Song I apenas chacoalhou sua cabeça num sinal positivo e deixou o estádio onde derrotou a atleta singapurense Yu Mengyu, na última terça-feira (9).

Galaxy S7 Edge Olimpíadas

De nações rivais, as atletas Hong Un-Jong (Coréia do Norte) e Lee Eun-Jo (Coréia do Sul) pousaram pra uma selfie juntas no último domingo. (Foto: Reprodução/Ronald Grant)

Se a pressão sobre os cidadãos já é grande, o controle sobre os atletas que estão noutros países para eventos como os Jogos Olímpicos é ainda maior, tanto que muitos temem Hong Un-Jong seja punida por tirar uma foto ao lado de uma sul-coreana, por exemplo. O país está presente nos Jogos Olímpicos desde 1972, no entanto, boicotou os jogos de 1984, em Los Angeles, e se recusaram publicamente a participar dos jogos de 1988, realizados na capital da Coréia do Sul, Seul.

Embora não haja um conflito armado entre as Coréias do Sul e do Norte, é válido lembrar que ambas as nações ainda estão em guerra: o documento assinado pelos dois países em 1945 não é um tratado de paz entre as duas nações, mas sim um acordo que divide a península coreana ao meio, para evitar que uma das nações avance sobre sua rival causando a volta dos ataques armados.

Fonte: The Next Web.