Claro começa testes de rede para implementar "4,5G" no Brasil

Por Rafael Romer | 28 de Outubro de 2015 às 18h29

A Claro anunciou durante a Futurecom que já está fazendo os primeiro testes em sua rede da nova velocidade "4,5G" de conectividade de dados móveis, na cidade de Anápolis (GO). A tecnologia utilizada é a mesma para agregação das duas bandas de 1800 Mhz e 2500 Mhz do 4G da companhia, elevando a velocidade de conexão em 30% e permitindo downloads acima de 200 Mbps.

"A ideia é pegar as faixas de frequências que tenham interoperabilidade com o LTE e usar essas fatias como um bloco único, dando mais capacidade de output para o cliente", explicou ao Canaltech o Diretor de Engenharia da América Móvil do Brasil, André Sarcinelli.

A cidade goiana foi a primeira escolhida por sua representatividade na região centro-oeste e pela alta demanda de uso de dados do local. A cidade também já havia completado seu processo de refarming de espectro dos 1800 Mhz do 2G para 4G, processo necessário para a implementação da tecnologia de carrier agregation.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

A empresa já tem planos de implementar a tecnologia em outras regiões brasileiras, mas não há uma expectativa de massificá-la no país ainda. Em novembro, cidades da região metropolitana de São Paulo como Taubaté e Sorocaba já receberão a nova velocidade, mas por enquanto a capital paulista deverá ficar de fora. "A gente vai avaliar como se comporta, qual a penetração e como esse mercado vai se desenvolver, e em sequência vamos focar onde houver demanda, eventos, estádios, durante as Olimpíadas", disse Sarcinelli.

A tecnologia, que está sendo implementada em parceria com a Huawei em Anápolis e será feita em junto com a Ericsson em São Paulo, exige que o usuário tenha smartphones habitados para o recebimento do sinal agregado — atualmente, só os iPhone 6 e 6S e Galaxy S6 e Edge estão habilitados.

"A tendência é que, com a Claro e outras operadoras entrando [com o carrier agregation] e a demanda de dados se mantendo crescente, o custo de ter essa funcionalidade nos terminais vai cair", avaliou. "Vai depender do interesse do cliente gerar escala".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.