CIAB 2017: Presidente do banco Santander diz que o "digital morreu"

Por Redação | 06.06.2017 às 17:05

Durante o Ciab FEBRABAN 2017, congresso de tecnologia para instituições financeiras que está acontecendo em São Paulo, o presidente do banco Santander, Sergio Rial, fez uma provocação polêmica ao dizer que "o digital morreu".

De acordo com suas informações, as tecnologias para as instituições financeiras por si só já não bastam mais, afinal, no momento, a humanidade está atravessando uma Revolução Cognitiva. “A tecnologia, oferecer um aplicativo, por exemplo, é obrigação de todos os bancos. Agora é preciso desmaterializar as ofertas. O cliente quer cada vez menos produtos e mais serviços”, explicou.

Em sua palestra, Rial fez questão de gerar reflexão na plateia falando sobre a importância da desmaterialização. “Vivemos a era da desmaterialização, e as empresas terão que pensar no que significa se desmaterializar”. Sob essa perspectiva, o presidente insiste que o risco para os bancos, hoje, está na reputação, pois a sociedade está vivendo um novo momento. “Neste mundo de desmaterialização, temos o desafio de transformar o bancário, como o conhecemos, em um empreendedor. É ele quem pode ajudar o banco a buscar customização rentável – do produto ao cliente.”

Segundo o executivo, não é mais interesse das pessoas o acúmulo de bens, e sim usufruir de experiências. “Estamos falando de um mundo que visa menos patrimônio e mais usufruto, menos produto e mais serviço. Isso é a Revolução Cognitiva.” Diante dessa nova realidade, Sergio Rial explica que para sobreviverem, os bancos terão de se adaptar a esse novo estilo de vida.

Para ele, é primordial que a indústria financeira comece a aceitar que os clientes não queiram mais consumir produtos e serviços básicos. “A tecnologia veio para industrializar aquilo que deve ser industrializado, mas a educação nunca foi tão importante para a sobrevivência da indústria financeira. As máquinas são incapazes de inspirar. As máquinas não têm capacidade de ser criativas, inventivas e surpreendentes.”

Fonte: Convergência Digital