Como os torcedores podem se proteger de fraudes e ameaças online durante a Copa

Por Colaborador externo | 20 de Junho de 2014 às 08h40
photo_camera Divulgação

Por William Beer*

Em um mês típico, o Brasil é o 4º país do mundo no ranking de ataques digitais a empresas, de acordo com um estudo da RSA, e o 8º no ranking geral de ataques online, segundo a Symantec. Entretanto, junho e julho serão meses atípicos, já que o país é a sede da Copa, com os holofotes do mundo focados sobre o país. Para termos uma ideia do que iremos enfrentar, na última Copa do Mundo, na África do Sul, o número de fraudes somente com cartão de crédito saltou 53%. Vale destacar ainda que na maioria das vezes as fraudes só são detectadas apenas meses depois do evento.

Se compararmos com a África do Sul, o Brasil é maior, mais rico e mais conectado – ou seja, aqui os problemas poderão ser ainda mais graves. A ausência de legislação e regulamentações específicas para a cibersegurança nas empresas piora o cenário. Nas próximas semanas, seremos um prato cheio para hackers, criminosos e ativistas digitais. O coletivo de hackers Anonymous está operando sob as hashtags #OpHackingCup e #OpWorldCup e alega ter atacado dúzias de sites do governo e sites ligados à Copa, como patrocinadores e instituições financeiras. E o risco não existe somente para o estrangeiro que está visitando o Brasil, mas para todos os brasileiros que irão viver sob uma atmosfera intensa de ataques e fraudes digitais.

A segurança privada do cidadão depende, no entanto, antes de tudo, das suas atitudes. São três pontos principais:

  • Preparação: Esteja preparado para os ataques digitais, pois são grandes as chances de que você será um alvo: tenha sempre os números de emergência de seu banco, mantenha um cartão de crédito extra para eventuais necessidades, e se preferir, contate o seu banco a fim de reduzir o limite do seu cartão neste período.
  • No dia a dia: Se for viajar, evite fazer transações financeiras usando Wi-Fi públicos. Na medida do possível, deixe para realizar compras e pagamentos online quando retornar para sua casa. Se não por possível esperar, recomenda-se o uso via Virtual Private Network (VPN) ou conectar o smartphone ao 3G ou 4G. Outra dica é usar o cartão de crédito preferencialmente ao de débito, pois o primeiro oferece mais proteções em caso de roubo ou fraude.
  • Esteja pronto para o pior: Caso você sofra qualquer tipo de ataque ou fraude, esteja pronto para identificar o que deu errado, acionar as autoridades competentes e tomar as providências cabíveis em cada situação.

Vejamos então como se proteger das maiores ameaças que enfrentaremos neste período:

  • Hotspots Wi-Fi falsos: Especialmente para quem vai viajar, usar hotspots Wi-Fi espalhados pelas cidades será tentador. Mas é preciso cuidado para ter certeza de que você está se conectando a uma rede mais segura, como a de um hotel. É ainda mais importante que não digitar senhas de serviços ou efetuar compras online quando conectados a um Wi-Fi desconhecido, já que seus dados podem estar sendo gravados por criminosos.
  • Golpes em caixas eletrônicos: As fraudes em caixas eletrônicos são sofisticadas e cada vez mais comuns no Brasil. Evite usá-los fora do horário de funcionamento dos bancos, e dê preferência aos caixas dentro das agências. Ainda assim, verifique se a máquina apresenta sinais de violação e não aceite a ajuda de desconhecidos. Se possível, vá acompanhado de um amigo. No caso de dúvidas ou desconfiança, procure um representante do seu banco.
  • Phishing e sites falsos: Um dos métodos mais comuns de ataques é o “phishing”, onde o criminoso tenta se passar por uma pessoa ou empresa confiável para adquirir dados pessoais, bancários ou senhas de acesso, ou infectar seu dispositivo. Grupos de criminosos habitualmente criam sites faltos de bancos e lojas online na tentativa de enganar os usuários a digitar seus dados confidenciais e senhas bancárias. Para links recebidos via e-mail, verifique se o remetente é confiável e não abra anexos desconhecidos. Lembrem-se: em grandes eventos, os oportunistas usam fotos e vídeos para contaminar seu computador e obter suas credenciais e dados; na dúvida não abra nada de origem desconhecida ou duvidosa.
  • Reservas e bilhetes de jogos falsos: Mais um prato cheio para criminosos, pois o volume de pessoas fazendo reservas online de hotéis, carros e outros serviços será enorme. Estes cuidados devem ser não apenas com os sites falsos, mas vale como dica ligar para o hotel ou serviço contratado e obter uma confirmação por telefone da sua reserva. Isso evita que você fique sem ter onde ficar em uma cidade estranha. Caso não tenha nenhuma referência sobre o hotel, busque on-line e nunca envie seus dados de cartão de crédito por e-mail.
  • Compras online: Grupos de hackers anunciaram ter atacado sites de grandes comércios online, patrocinadores, hotéis e outros que vão concentram grande movimento durante o próximo mês. Esses ataques, além dos atos ativistas, alguns visam roubar os dados bancários que estão armazenados pelos sites. Tome muito cuidado com o comércio online, fique atento para notícias de ataques, e não faça compras em sites desconhecidos.
  • Aplicativos suspeitos e pedidos de atualização – Esteja atento a e-mails solicitando atualização de aplicativos e arquivos ligados à Copa. Tais links podem conter malware e infectar seu dispositivo.

Por fim, esteja ciente que mesmo tomando cuidado, você ainda pode ser alvo de um ataque. Infelizmente, é triste o cenário da cibersegurança no Brasil, e tanto a iniciativa pública quanto a privada precisam dar a devida atenção ao tema. Enquanto isso, redobre sua atenção e aproveite os jogos.

* William Beer é especialista em cibersegurança e sócio da consultoria Alvarez & Marsal

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.