Cisco será responsável por infraestrutura de rede nos jogos Rio 2016

Por Rafael Romer | 10 de Dezembro de 2013 às 19h30

A multinacional norte-americana Cisco será responsável pela implementação e suporte das infraestruturas de rede que serão utilizadas durantes os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos que serão realizados no Rio de Janeiro, em 2016. O anúncio oficial foi feito nesta terça-feira (10), em evento que aconteceu simultaneamente no Rio de Janeiro, São Paulo e San Jose, sede mundial da empresa na Califórnia, com participação de representantes do Comitê Organizador de ambos os jogos.

"Nós sabemos que esses serão os Jogos mais conectados da história devido à explosão de conectividade que acontece não só para os jogos, mas também para os espectadores", afirmou o presidente da Cisco Brasil, Rodrigo Dienstmann. A empresa não divulga os investimentos que serão feitos, mas afirma que serão "significativos" e incluirão as áreas de hardware, software e serviços, além de pessoal local.

Cisco Rio 2016

O anúncio oficial foi feito nesta terça-feira (10), em evento simultâneo no Rio de Janeiro, São Paulo e San Jose, sede mundial da empresa (Foto: Canaltech)

A rede será desenvolvida com uma série de parceiros do Comitê Organizador e servirá de base para as infraestruturas de redes LAN cabeadas e sem fio, além de roteadores IP e equipamentos de segurança de rede, data centers e sistemas de gestão. A empresa também será responsável pelo fornecimento de servidores para data centers. Segundo a Cisco, o trabalho será feito em parceria com 11 outras empresas já anunciadas, entre elas as telcos Embratel e Claro, além de 10 outras que serão selecionadas ainda no próximo ano.

Entre os desafios que a empresa enxerga para o Rio 2016 está a consolidação da chamada Internet de Todas as Coisas (IoE). Nos Jogos de 2012, em Londres, foram mais de 400 mil uploads de fotos somente durante a cerimônia de abertura. A expectativa é que esse número se multiplique, puxado principalmente pela popularização de tablets, na avaliação da empresa.

"O que isso significa para nós é que criaremos o novo modelo para as Olimpíadas e Paraolimpíadas para os próximos anos, quando a tecnologia é um componente absolutamente crítico e gera um impacto tremendo", disse a Vice-Presidente Sênior da empresa, Blair Christie. Entre as novidades que a Cisco pretende implementar estão uma série de live sites públicos espalhados por diferentes regiões do país para a transmissão em tempo real da abertura dos jogos.

De acordo com a empresa, a proposta é transformar a infraestrutura criada para os jogos em um ecossistema de inovação que se estenda além do período das Olimpíadas e Paralímpiadas. “Essa é a oportunidade de expor a Internet de Todas as Coisas e isso é absolutamente crítico para a Cisco”, afirmou Christie. “Nós acreditamos em estender o impacto para o Rio e para o Brasil quando o Jogos acabarem”.

A exemplo do trabalho que desenvolveu durante os Jogos de Londres com 14 startups locais, a Cisco espera fomentar o ecossistema fluminense e brasileiro de TI através de parcerias, networking e do seu Centro de Inovação do Rio de Janeiro, aberto em agosto com o objetivo de investir R$ 1 bilhão localmente em múltiplos anos. "O verdadeiro sucesso do evento será se conseguirmos deixar algum legado de inovação para mudar o ecossistema para melhor”, afirmou o Presidente de Desenvolvimento da Cisco, Rob Lloyd.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.