CeBIT 2014: Proteção de dados e privacidade é tema de abertura do evento

Por Redação | 10.03.2014 às 15:45 - atualizado em 11.03.2014 às 02:09
photo_camera Divulgação

A CeBIT 2014 começou oficialmente neste domingo (9) em Hannover, Alemanha, e deve ter como tema principal a discussão sobre a responsabilidade da proteção dos dados pessoais de usuários, como indicaram os discursos durante a cerimônia de abertura do evento. Entre os focos de um dos maiores fóruns de TI do mundo, estão também temas como Big Data e a "datability", que é a capacidade de usar grandes quantidades de dados de forma rápida e responsável.

Durante a abertura, que começou com um diálogo entre um jovem ator e um robô apelidado de RoboThespian, simbolizando as novas gerações digitalmente nativas, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, afirmou que é necessário colocar uma "moldura legal" ao redor do mundo digital para garantir sua ordem. "Nós só estamos no início disso. Somente leis nacionais não bastarão", disse.

A chefe de Estado também ressaltou a importância de promover "conversas intensivas" com os Estados Unidos sobre privacidade, assim como reforçar a cooperação entre países da União Europeia para expandir legislações em comum entre todas as nações sobre o tema.

O Ministro-Presidente da Baixa Saxônia, estado alemão que tem Hannover como capital, também apelou para questões éticas e morais para a proteção de dados, pedindo que a União Europeia estabeleça padrões de referência na hora de lidar com outros players mundiais, principalmente os Estados Unidos.

Já o atual presidente da Associação Alemã para Tecnologia da Informação, Telecomunicações e Novas Mídias (Bitkom), Dieter Kempf, afirmou que simplesmente restringir a acumulação de dados por organizações já não é mais a forma certa de lidar com questões de proteção de dados.

De acordo com o executivo, devemos utilizar mais TI para desenvolver soluções para os problemas de privacidade que a própria TI criou, de forma que aqueles que quiserem utilizar dados pessoais dos usuários deverão garantir sua proteção. "O modelo do não-categórico (para coleta de dados) pode ser popular, mas não faz justiça à abordagem digital", afirmou.

Também foram abordadas algumas questões de segurança de dados que deveremos enfrentar no futuro próximo, puxadas principalmente pela tendência da Internet de Todas As Coisas (IoE), como a relação entre usuários e carros conectados. Para Marin Winterkorn, CEO da Volkswagen, empresas automotivas já trabalham para proteger motoristas de perigos comuns enfrentados nas ruas, mas devem começar a olhar com mais atenção para os dados de usuários conforme os carros tornam-se mais conectados.

"Precisamos ser igualmente responsáveis na proteção de nossos clientes contra o uso indevido de seus dados pessoais", disse em referência à coleta de dados de deslocamento, por exemplo. Para evitar o monitoramento intrusivo desses dados, o executivo sugeriu que a própria indústria se reúna para definir padrões e evitar que regulamentações de governos sejam necessárias.