Siga o @canaltech no instagram

Ministério chinês reconhece trabalhos em eSports como ocupações profissionais

Por Rafael Arbulu | 04 de Abril de 2019 às 16h46
New York Daily News

O Ministério de Recursos Humanos e Seguridade Social da China emitiu despacho, dando reconhecimento profissional a uma série de ocupações relacionadas a tecnologias emergentes. Das novas profissões listadas, valem o destaque para “e-sportsman” (algo como “atleta de e-sports”, na tradução livre) e “operador de e-sports”.

Não está claro se as duas classificações são exatamente o que se espera ou se servem como um “guarda-chuva” que engloba a todas as ocupações do setor: “operador de e-sports”, por exemplo, pode ou não englobar os casters — narradores de partidas —, da mesma forma que não é claro se “e-Sportsman” refere-se ao atleta propriamente dito, ou se vale para os técnicos e coordenadores das equipes também.

Jogadores profissonais agora contam com reconhecimento oficial de ministério chinês

De qualquer forma, a notícia é muito boa para quem atua no ramo dentro do país, haja vista que o reconhecimento profissional por parte do Ministério é o que convém formalizações de benefícios trabalhistas. Categorias que ficam fora dos despachos oficiais geralmente são tratadas com informalidade.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A medida não deve ter sido tomada à toa: segundo o site de avaliações métricas Statista, o mercado de eSports chinês apresentou faturamento anual de US$ 102 milhões em 2018. O número pode parecer pequeno, mas o governo pode estar mais de olho no potencial de crescimento: o mesmo site estima que, em 2019, o faturamento será de US$ 127 milhões, ao passo que, em 2022, a expectativa é de US$ 182 milhões. É seguro dizer que a China está tentando se colocar à frente de profissões emergentes.

Outras profissões reconhecidas no despacho são: engenharia e pessoal técnico de inteligência artificial, engenharia e pessoal técnico de Internet das Coisas, equipe de instalação e debug de Internet das Coisas, engenharia e pessoal técnico de Big Data, técnico de engenharia de cloud computing, técnico de construção de modelos de informação, piloto de drones, gerente agrônomo, operador de sistemas robóticos industriais, operador de robôs industriais.

Fonte: Gizmochina, via My Drivers; Statista

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.