Vitória de Donald Trump ameaça privacidade online nos EUA

Por Redação | 11 de Novembro de 2016 às 10h41
Reprodução

Nesta semana, Donald Trump foi eleito presidente dos Estados Unidos. Entre polêmicas relacionadas ao registro forçado de milhões de muçulmanos, punições para mulheres que fazem aborto e a criação de um muro na divisa com o México, o magnata também tem deixado os interessados por tecnologia com a pulga atrás da orelha.

Em uma de suas declarações, o agora político disse que pretende expandir os programas de vigilância do governo e retomar a batalha para que o Estado tenha acesso a dados criptografados. Ele também já ameaçou pedir um boicote aos produtos da Apple, que não são fabricados em território norte-americano, e mover uma ação antitruste contra a Amazon.com. A proposta de fechamento de parte da internet para evitar a propagação de conteúdo do Estado Islâmico também foi citada durante a campanha eleitoral.

É claro que as citações, mesmo que limitadas a ameaças de campanha, deixam ativistas e empresas de tecnologia em estado de alerta sobre o que está por vir nos próximos anos de mandato de Trump.
"Eu acho que (Trump) vai ser um cara que provavelmente vai ordenar a criação das portas dos fundos", disse o diretor de operações da Strategic Cyber Ventures e veterano da Agência de Segurança Nacional, Hank Thomas. "Eu não acho que ele vai ser amigável com a privacidade e eu temo que ele vá envolver mais as agências no cumprimento da lei internamente."

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Para os usuários finais, resta tentar proteger suas informações com recursos de criptografia. No entanto, a recente reeleição do senador republicano Richard Burr, presidente do Comitê de Inteligência do Senado, pode dar ainda mais força às ideias do novo presidente norte-americano. Em 2015, na época do caso Apple versus FBI, Burr estava à frente da proposta que pedia a aprovação da lei que exige que empresas criem backdoors em seus produtos que permitiriam que agentes do governo burlassem a criptografia e outras formas de proteção de dados.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.