Estado Islâmico utilizou criptografia para se comunicar com terroristas em Paris

Por Redação | 17.11.2015 às 10:10

As investigações sobre os ataques terroristas realizados em Paris na última sexta-feira (13) indicam que os integrantes do Estado Islâmico se comunicaram com terroristas da Síria através de mensagens criptografadas. Apesar do ocorrido, as autoridades de inteligência dos Estados Unidos advertiram o governo francês há quase dois meses de que o ISIS estaria arquitetando um ataque terrorista em solo francês.

Michael Morell, ex-vice-diretor da CIA, confirmou os detalhes da investigação e afirmou que a comunicação criptografada do Estado Islâmico "é muito difícil ou quase impossível para o governo quebrar". James Woolsey, também ex-diretor da CIA, disse várias vezes em entrevistas que Edward Snowden "tem sangue em suas mãos" por revelar a capacidade de vigilância das agências de inteligência.

Colocar a culpa em Snowden parece ser um pouco exagerada, visto que organizações terroristas utilizam a criptografia há pelo menos 15 anos. Atualmente, o Estado Islâmico utiliza o Telegram, que permite a criação de canais que são utilizados para manter conversas em grupo com até 200 contatos. Uma pesquisa realizada em outubro revelou que tanto o ISIS quanto a Al-Qaeda criaram vários canais no Telegram para se comunicarem sem vigilância, compartilhando arquivos que incluíam tutoriais sobre fabricação de armamentos.

A utilização de serviços criptografados como o Telegram, que impedem o rastreamento de mensagens por governos e agências de inteligência, pode estimular uma série de mudanças e aplicações de novas leis sobre restrições à criptografia. Graças à falta de criptografia no WhatsApp, em junho um grupo de supostos jihadistas chechenos foram detidos na Bélgica depois que os serviços de inteligência analisaram os dados das conversas e seus integrantes.

Os ataques contra Paris provavelmente serão utilizados como arma para impedir a utilização de criptografia entre usuários. James Comey, diretor do FBI, chamou a atenção para a necessidade do governo ter acesso às conversas criptografadas com a ajuda da comunidade de tecnologia. No entanto, mesmo que o governo dos Estados Unidos conte com a ajuda de empresas como a Apple, Facebook e Google, muito ainda teria que ser feito para impedir a comunicação segura entre organizações terroristas.

Fonte: ArsTechnica

Fonte: http://arstechnica.com/information-technology/2015/11/isis-encrypted-communications-with-paris-attackers-french-officials-say/