Casa Branca nega perdão a Edward Snowden

Por Redação | 28.07.2015 às 18:24
photo_camera Wired

Uma petição assinada por mais de 167 mil pessoas não foi suficiente para convencer os Estados Unidos a conceder o perdão a Edward Snowden. Por meio de um comunicado oficial, a Casa Branca disse que o ex-consultor da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA) deve voltar aos EUA para ser julgado por suas ações.

O governo norte-americano alega que Snowden deveria ter procurado os canais oficiais para comunicar suas preocupações em relação à vigilância exercida pela NSA, em vez de vazar para a imprensa informações da rede de espionagem eletrônica. Lisa Monaco, assessora de Segurança Interna e Antiterrorismo do presidente Barack Obama, disse que o roubo e a divulgação de informações praticado pelo ex-consultor tiveram consequências graves para a segurança dos EUA.

"Se ele sentiu que as ações eram consistentes com a desobediência civil, então ele deveria ter feito o que todos aqueles que têm problemas com o seu próprio governo fazem: contestá-lo, falar, se envolver em um ato construtivo de protesto, e – importante – aceitar as consequências de suas ações. Ele deveria voltar para casa, para os Estados Unidos, e ser julgado por um júri – e não se esconder atrás de um regime autoritário. Agora, ele está fugindo das consequências de suas ações", escreveu Lisa Monaco.

"Vivemos em um mundo perigoso. Continuamos enfrentando graves ameaças à segurança, como o terrorismo, cyberterrorismo e proliferação nuclear, e a nossa equipe de inteligência deve ter todas as ferramentas legais que necessita para resolver esses problemas. O equilíbrio entre nossa segurança e as liberdades civis que nossa Constituição idealiza exige um grande debate", completou.

Mesmo depois de praticamente dois anos, Edward Snowden e suas revelações de programas de espionagem e vigilância continuam causando sérias mudanças no modo de agir da NSA e do governo norte-americano como um todo.

Logo após Snowden divulgar as informações secretas sobre os programas de vigilância da NSA, promotores federais o acusaram sob a Lei de Espionagem do país. Snowden então fugiu para a Rússia, onde recebeu asilo político e permanece até hoje. O promotor-geral norte-americano, Eric Holder, teria dito às autoridades russas que não iria pedir a pena de morte para o ex-consultor da NSA, mas ele teria de enfrentar um tempo na prisão.

Snowden pode ficar na Rússia por pelo menos mais dois anos, mas ele ainda está tentando conseguir asilo em outros países. Em março, ele nomeou a Suíça como o local ideal, dizendo que tinha feito o pedido a 21 países, sem sucesso. No mês passado, um oficial francês sugeriu que a França poderia oferecer-lhe asilo. Snowden já disse que só vai voltar para os EUA se tiver direito a um julgamento justo.

Via: The Verge

Fonte: Casa Branca