Cartéis mexicanos usam redes sociais para extorquir dinheiro das vítimas

Por Redação | 12.04.2016 às 23:55
photo_camera Divulgação

A utilidade das redes sociais já não precisa ser discutida, mas seus perigos infelizmente merecem atenção. É claro que as redes são utilizadas por criminosos em todo o mundo, mas o que tem acontecido no México tem despertado a atenção de muitos países.

O tráfico de drogas ainda é a fonte mais rentável dos cartéis mexicanos, mas com as melhorias na aplicação das leis e punições aos criminosos, os cartéis têm explorado novas operações para fazer dinheiro. As ações mais recorrentes têm sido os sequestros e as extorsões dos cidadãos. Para que a atuação seja feita de forma eficaz, os criminosos estão utilizando redes sociais, como o Facebook e o Twitter, para obter informações de seus alvos e a partir disso colocarem seus planos em prática.

Segundo Tom Wainwright, autor de Narconomics, o negócio de extorsão tem sido bastante rentável para os cartéis, e pelo uso das redes sociais os criminosos exploram o acesso de informação fazendo ameaças às vítimas a partir de dados coletados, como família, o que faz com que os alvos sejam intimidados. Wainwright afirma ainda que todas as informações encontradas são utilizadas, já que por meio das redes os criminosos conseguem saber detalhes da vida da vítima, como onde trabalha, estuda, quem são seus parentes e amigos. E é por meio dessa exploração que eles tentam extorquir mais dinheiro.

A situação no México é tão grave que também existem cartéis formados por policiais, que foram envolvidos em 80% dos sequestros nos últimos meses. Apenas um cartel era composto por 6.500 oficiais que atuavam em crimes por todo o país. Essas ações por parte de policiais faz com que muitas vezes a vítima não faça denúncias por medo de represálias.

Os números levantados por uma Organização Não-Governamental mexicana mostram que são feitos 600 sequestros relâmpago por dia, com resgate médio de US$ 400,00. A "indústria" de extorsão e sequestro no México tem crescido tanto que não são apenas pessoas com melhor poder aquisitivo que têm sido alvo das ações. Até mesmo ambulantes estão sofrendo com extorsões em zonas de domínio dos cartéis.

Via: Business Insider