Softwares de rastreio podem deixar crianças mais vulneráveis, diz especialista

Por Redação | 01.10.2014 às 15:38

Os softwares de rastreio de smartphones e outros aparelhos mobile, como o Find My iPhone, por exemplo, estão sendo usados para mais do que localizar dispositivos roubados ou pedidos. As ferramentas acabaram caindo também no gosto dos pais, que os utilizam para rastrear seus filhos e saber, em tempo real, onde eles estão exatamente. Mas esse tipo de utilização pode, na verdade, deixá-los mais vulneráveis a ataques. É essa a opinião de Sir John Scarlett, ex-diretor do MI6.

A ideia aqui é que a popularização deste e de outros softwares de rastreio pode acabar abrindo as portas para invasores. Assim, pedófilos com conhecimento técnico podem tentar hackear os aparelhos dos pequenos para descobrir sua localização. O mesmo vale para outros criminosos, que podem realizar ações do tipo para extorquir os pais, realizar sequestros ou outros tipos de crime.

Falando ao jornal britânico Telegraph, o ex-diretor do serviço de inteligência da Inglaterra diz que os pais precisam, sim, ser vigilantes sobre os filhos. Mas que o uso indiscriminado desse tipo de ferramenta, aliado à presença em redes sociais e outros serviços de compartilhamento, pode acabar tendo danos mais graves do que a espionagem governamental, por exemplo. Esse cenário tem se tornado cada vez mais atrativo para hackers e criminosos, que se aproveitam de falhas na segurança ou da simples falta de proteção para obter informações privilegiadas de suas vítimas.

Para Scarlett, trata-se de um efeito direto de jovens que cresceram cercados por tecnologia, filhos de pais que não têm tanta intimidade assim com esse mundo. Desta maneira, a segurança digital acaba negligenciada, por falta de conhecimento ou o total oposto disso, e o resultado é uma verdadeira festa para indivíduos mal-intencionados.

A opinião foi emitida durante uma reunião anual de diretores e ex-dirigentes de áreas de segurança britânicas. Scarlett expôs para os presentes o fato de conseguir obter, naquele exato momento, a localização de diversos membros de sua família a partir de seu celular, e disse que, se ele é capaz de fazer isso, então criminosos também seriam. Para ele, mesmo os sistemas de segurança mais arrojados, aplicados pelas fabricantes de software, não são capazes de suportar esforços “concentrados” para invasão.

Ele, sem dúvida, sabe do que está falando, pois esteve à frente do MI6 durante um período de vigilância ostensiva contra cidadãos do Reino Unido. O órgão do governo inglês esteve envolvido no escândalo de espionagem detonado por Edward Snowden no ano passado e foi acusado de realizar espionagem contra seus próprios cidadãos.

Mas, para Scarlett, as preocupações com o Estado são exageradas e fazem com que os cidadãos não se preocupem com o “perigo real” e relacionado à segurança de seus filhos. Para ele, a verdade é que não existe proteção absoluta contra espionagem e invasão, e a melhor forma de se proteger é ser cauteloso e aberto com os filhos em relação à divulgação de informações pessoais na internet e o uso de softwares para rastreamento.