Snowden expõe documentos que sugerem a participação dos EUA nos ataques em Gaza

Por Redação | 11.08.2014 às 12:50

Há muito vem sendo divulgada a grande assistência que o governo norte-americano tem dado em Israel, seja financeira, bélica ou tecnológica, que tem uma grande participação nos ataques aos países vizinhos. No entanto, mais uma vez Edward Snowden, ex-agente da NSA, divulgou informações importantes sobre os Estados Unidos e seus parceiros que fomentam os ataques militares como os recentes bombardeios em Gaza.

Os novos documentos ressaltam o envolvimento direto dos Estados Unidos e seus aliados nas agressões contra os países vizinhos, porém, esse apoio ofuscado é dissonante ao discurso do governo norte-americano de distanciamento impotente frente às ameaças.

Na última década, a agência de segurança americana aumentou significativamente seu apoio à vigilância executada pela agência de segurança de Isael, a SIGINT ou ISNU, inclusive com informações acerca de monitoramento e alvos palestinos. Em alguns casos, a NSA e a ISNU trabalham em cooperação com as agências inglesas e canadenses GCHQ e CSEC, respectivamente.

Segundo as novas informações, as iniciativas de Israel seriam impossíveis de acontecer sem um apoio constante e consistente do governo dos Estados Unidos. Um dos documentos, de 13 de abril de 2013 e publicado pelo Intercept, conta que a NSA mantém uma relação técnica e analítica com a agência ISNU, compartilhando informações de acesso, alvo, interceptações, idioma, análises e relatórios. Sob esta cooperação, os governos trabalham juntos para ter acesso geográfico a locais como o norte da África, Oriente Médio, Golfo Pérsico, sul da Ásia e as repúblicas islâmicas da antiga União Soviética.

"Israel teria o benefício do acesso a conteúdos analíticos da NSA e a expertise de engenharia da SIGINT, além de controlar acesso à tecnologia norte-americana e equipamentos", registra um dos documentos.

A aliança teria começado há mais de uma década. Em 2003 e 2004, Israel pressionou a NSA para um acordo de compartilhamento de inteligência chamado Gladiator. Como parte do processo, Israel solicitou um apoio financeiro de milhões de dólares para fomentar as atividades do país. O Gladiator não foi consumado, mas os documentos de Snowden mostram montantes elevados para fins não especificados.

A cooperação da NSA em diferentes níveis pode estar associada a uma política que apoia as agressões e o militarismo de Israel. Por vias diferentes, as "impressões digitais" dos Estados Unidos estão sendo encontradas, enquanto muitos pensam que a crise em Gaza diz repeito apenas a Israel e os palestinos.