Pentágono afirma que caso Snowden auxiliou terroristas

Por Redação | 10.01.2014 às 13:35

Dois dos principais membros do comitê de inteligência do governo dos Estados Unidos classificaram os atos de Edward Snowden como traição, afirmando que o vazamento de informações auxiliou terroristas e colocou tropas em risco. A conclusão teria sido retirada de um relatório confidencial do Pentágono, que não foi divulgado ao público.

Apesar de não afirmar exatamente quais foram os efeitos das revelações feitas pelo ex-analista, o diretor do comitê, Mike Rogers, afirmou que elas tiveram consequências letais para as tropas em territórios de conflito. Para ele, conforme relatado pelo site Foreign Policy, os atos de Snowden entregaram os métodos de trabalho e vigilância do governo americano aos inimigos, dificultando a ação contra o terrorismo, tráfico de drogas e crimes virtuais.

A afirmação foi apoiada por Dutch Ruppersberger, outro membro do comitê. Ele diz que os terroristas, agora, possuem basicamente uma visão completa da forma de atuação da NSA e outros órgãos de segurança nacional. E, agora, segundo ele, os Estados Unidos estão pagando o preço.

Evidências mais claras sobre o que exatamente aconteceu, porém, não puderam ser reveladas, já que as conclusões estão presentes em um relatório confidencial. Por outro lado, eles voltaram a defender a política de coleta de informações da NSA, afirmando que elas já ajudaram a evitar diversos ataques terroristas contra os EUA.

O jornalista Glenn Greenwald, um dos aliados de Snowden na publicação dos documentos confiedenciais, se pronunciou pelo Twitter, criticando duramente as afirmações do comitê. No passado, em entrevista ao CNET, ele já havia afirmado que a instituição serve apenas para validar os atos da comunidade de inteligência americana e não possui nenhum tipo de relevância própria.